Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Tratamento da caspa ganha o reforço da toxina botulínica

Mas é importante associar o tratamento com outras medidas capazes de reduzir a inflamação e a oleosidade do couro cabeludo

Por Patrícia França (farmacêutica) e Lilian Brasileiro (dermatologista)*
Atualizado em 24 abr 2023, 16h22 - Publicado em 24 abr 2023, 16h22

Amplamente usada no tratamento das rugas, a toxina botulínica do tipo A – o popular Botox – é um neuromodulador, ou seja, funciona como um “relaxante muscular seletivo”.

Do tratamento da depressão à enxaqueca, a aplicação injetável dessa substância é respaldada pela literatura científica.

Agora, a novidade é que, quando aplicada no couro cabeludo, a toxina botulínica também pode ser efetiva para o tratamento da dermatite seborreica, a famosa caspa.

A caspa é uma doença que afeta 50% da população em algum momento da vida, tanto adolescentes quanto adultos.

Quem tem caspa geralmente relata desconforto, ardência e coceira no couro cabeludo.

Continua após a publicidade

Muitas vezes, há uma questão estética envolvida, já que as escamas brancas, prateadas ou amareladas se desprendem, impregnando as roupas.

+ LEIA TAMBÉM: 10 mitos e verdades sobre a saúde dos cabelos

Como a toxina botulínica age na caspa

A ideia da aplicação da toxina botulínica é reduzir a secreção de sebo, algo respaldado por estudos recentes. Existem múltiplos mecanismos relatados e possivelmente envolvidos.

O principal deles é o bloqueio na liberação de um neurotransmissor chamado acetilcolina entre os terminais nervosos e as glândulas sebáceas, o que diminuiria a produção de sebo.

Continua após a publicidade

O tratamento deve ser feito com intervalo entre as aplicações de quatro a seis meses.

Mas como a fisiopatologia da caspa envolve outras questões, como a oleosidade e a inflamação, o médico dermatologista sempre deve ser consultado para associar o tratamento com substâncias tópicas e orais.

Também é necessário controlar a atividade dos fungos do gênero Malassezia.

Eles moram na superfície do couro cabeludo, vivem em simbiose e normalmente se alimentam da gordura presente ali.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: As doenças de pele que mais afetam o bem-estar

Mas, em condições de anomalia, quando o paciente está com um excesso de produção de gordura pela glândula sebácea (por causa de estresse ou doenças, por exemplo), o microrganismo se aproveita disso, entra no folículo, muda a produção desses triglicerídeos e se prolifera.

Com isso, há alteração do pH do couro cabeludo. Dessa maneira, a descamação aparece como uma resposta inflamatória.

Mais parceiros contra a caspa

Os xampus podem e devem ser aliados no tratamento, mas devem contar com substâncias específicas – como defenscalp, que tem atividade antifúngica.

Continua após a publicidade

Além de controlar a proliferação dos fungos Malassezia, a substância reequilibra a microbiota do couro cabeludo.

Extratos vegetais, como bioex anticaspa, que previnem e combatem a descamação excessiva do couro cabeludo, também podem ser usados.

Substâncias calmantes e anti-inflamatórias, da classe dos corticoides (betametasona ou clobetasol), podem ser inseridas em algumas loções e xampus.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Continua após a publicidade

Mas sempre é necessário associar a compostos fungicidas, bacteriostáticas ou fungistáticas, que inibem a proliferação dos micróbios.

Outra famosa substância, o cetoconazol, tem papel na prevenção, evitando que a caspa fique fora de controle, e na infecção ativa, no momento de muita descamação.

Piritionato de zinco, óleo de melaleuca, ácido salicílico, enxofre e sulfeto de selênio ainda fazem parte da lista de aliados.

Para completar, é importante a suplementação de substâncias que atuam na modulação da inflamação, como o FC Oral.

A fórmula ainda pode contar com zinco, outro componente com atividade anti-inflamatória, e a biotina, que ajuda a regular a função da glândula sebácea.

As formulações devem ser usadas sempre com orientação médica.

*Patrícia França é farmacêutica e gerente científica da Biotec Dermocosméticos, e Lilian Brasileiro é dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.