Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Transplante capilar só pode ser realizado por médicos

Conselho Federal de Medicina reconhece o procedimento como ato médico. Para especialistas, medida é importante para a saúde pública

Por Henrique Radwanski, cirurgião plástico, e Gustavo Mercadante, advogado*
Atualizado em 29 ago 2023, 09h47 - Publicado em 28 ago 2023, 17h51

A cirurgia de transplante capilar existe desde os anos 1950. O procedimento era então rudimentar e o resultado ficava aparente, com aspecto artificial, conhecido como “cabelo de boneca”.

Com pesquisas e aperfeiçoamentos técnicos, a restauração capilar chegou à era do transplante de unidades foliculares (estrutura composta pelo fio de cabelo e seu bulbo), no fim dos anos 1990.

Com a retirada de um pedaço de pele do couro cabeludo, o cirurgião e sua equipe preparavam, com microscópios, os enxertos foliculares.

Uma cicatriz linear, situada debaixo dos cabelos, ficava escondida, contanto que o paciente mantivesse um corte relativamente longo.

Assim, com a colocação dos enxertos foliculares fio a fio, o cirurgião conseguia replicar a natureza. Ao pentear os cabelos transplantados, o paciente ficava satisfeito: não havia sinal de uma cirurgia.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Quando fazer o transplante capilar: dos benefícios às contraindicações

Expansão das técnicas de implante capilar

A partir dos anos 2010, desenvolveu-se o procedimento chamado FUE (extração de unidades foliculares). Nele, as raízes de cabelo são extraídas do couro cabeludo, sem retirar a pele e sem deixar cicatriz linear.

Com essa nova técnica, houve grande expansão dos profissionais aprendendo e executando o transplante capilar. Além da popularização, houve uma banalização desta cirurgia.

Hoje, vemos um grande número de clínicas de franquia e de “fundo de quintal”, realizando procedimentos sem o adequado preparo e com profissionais mal treinados.

Continua após a publicidade

No Brasil, desde o começo da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), houve interesse no estudo dos cabelos e de assuntos a eles correlacionados.

Ou seja, há mais de 70 anos, a cirurgia da calvície e o estudo das doenças do couro cabeludo são assuntos específicos do cirurgião plástico e do dermatologista.

+ Leia também: Identificar o tipo de calvície é essencial para o tratamento dar certo

Recentemente, diante da banalização da cirurgia de transplante capilar, a Associação Brasileira de Cirurgia da Restauração Capilar (ABCRC) solicitou um posicionamento do Conselho Federal de Medicina (CFM) sobre quem seria o profissional médico capacitado e habilitado e realizar esse procedimento.

Continua após a publicidade

O parecer 03/2023 do CFM, aprovado na última semana, reconheceu que o transplante capilar é ato médico. Portanto, não é permitido que não-médicos (dentistas, fisioterapeutas, enfermeiro etc.) realizem o procedimento.

A determinação estabelece ainda que somente médicos cirurgiões plásticos e dermatologistas podem ser responsáveis técnicos de clínicas e hospitais que atuem nessa área.

Também, a publicidade relativa ao procedimento deve ficar restrita a cirurgiões plásticos e dermatologistas, sob pena de infração ética por ausência de titulação.

+ Leia também: Vitaminas para queda de cabelo? Melhor não tomar, alertam médicos

Medida importante

Um dado identificado em nosso Censo de Transplante Capilar 2023 reforça a importância da regulação: 12% dos profissionais habilitados trataram pacientes que necessitavam de reparo de cirurgia anterior feita por profissionais não habilitados ou clínicas clandestinas.

Desses pacientes, 15% tiveram que refazer o procedimento.

Trata-se, portanto, de uma medida extremamente necessária para a proteção da saúde pública, que evitará novos desfechos ruins.

Atividades médicas não devem ser praticadas por aventureiros sem o conhecimento e a estrutura necessária. Ganham o bem-estar e a qualidade de vida daqueles que desejam passar pelo procedimento!

Continua após a publicidade

*Henrique Radwanski é presidente da Associação Brasileira de Cirurgia da Restauração Capilar (ABCRC) e Gustavo Mercadante é advogado da ABCRC

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.