Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Testar, testar e testar! Mas estamos falando de dengue

Doença atinge números alarmantes no país. E exames podem fazer toda a diferença para o controle desse problema de saúde pública

Por Melissa Valentini, infectologista*
Atualizado em 8 Maio 2023, 18h29 - Publicado em 20 fev 2023, 09h06

A dengue é endêmica no Brasil. Ou seja, um problema de saúde pública que requer grande atenção para atingir um controle efetivo.

A cada três ou quatro anos, presenciamos surtos da doença no país. E dados do Ministério da Saúde apontam que foram registrados mais de mil óbitos decorrentes da dengue em 2022 e um total de 1,4 milhão de prováveis casos.

Falamos “prováveis” porque a maior parte dos diagnósticos é clínica, isto é, o médico o estabelece de acordo com o histórico, os sintomas e o exame físico do paciente. Testamos poucos pacientes para dengue, e a interpretação dos exames de sangue pode ser complexa, exigindo o apoio de especialistas para analisá-los. Para complicar, tivemos desabastecimento de kits de diagnóstico durante um bom período do ano passado.

Essa é uma realidade que precisamos mudar urgentemente. A certeza do diagnóstico permite um monitoramento dos casos na comunidade e, consequentemente, o direcionamento das ações do poder público para redução dos focos do mosquito transmissor da dengue.

Continua após a publicidade

A investigação laboratorial é fundamental, ainda, para a identificação dos sorotipos virais circulantes em cada cidade. Um dado de extrema relevância para a vigilância epidemiológica.

+ ASSISTA: Médica explica o que é a dengue em 90 segundos

A dengue é uma doença viral aguda. É transmitida pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti e possui quatro sorotipos diferentes. Por isso, uma mesma pessoa pode ser infectada pelo vírus mais de uma vez. E a segunda infecção é potencialmente mais grave.

Continua após a publicidade

Os períodos de maior transmissão são os meses chuvosos, visto que o acúmulo de água parada propicia a proliferação do mosquito e maior disseminação da doença.

Os principais sintomas da dengue são: febre alta, dores no corpo, nas articulações e atrás dos olhos, dor de cabeça e manchas vermelhas pelo corpo.

Mas outras doenças transmitidas pelo mesmo mosquito, como zika e chikungunya, têm quadros clínicos semelhantes e, na maioria das vezes, a diferenciação só pode ser confirmada com testes laboratoriais. A confusão no diagnóstico pode ser prejudicial e atrasar o início de um tratamento adequado para cada uma das enfermidades.

Continua após a publicidade

Presença de dor abdominal intensa, vômitos persistentes, prostração, queda da pressão e hemorragias são sinais indicativos de dengue grave. A avaliação médica tem de ser imediata. O período mais crítico da doença ocorre entre o 3º e o 7º dia após o início dos sintomas. A conduta correta diante do paciente é imprescindível para reduzir a mortalidade pela infecção.

Em caso de suspeita ou confirmação de dengue, alguns medicamentos, como os anti-inflamatórios, devem ser evitados, porque podem provocar o agravamento da doença.

O diagnóstico pode ser realizado através da detecção do material genético do vírus, pela técnica RT-PCR ou da pesquisa do antígeno NS1 no sangue, nos primeiros cinco dias de sintomas.

Continua após a publicidade

Já após o 7º dia, a pesquisa de anticorpos IgM e IgG pode ser utilizada para identificar a doença. A pesquisa de anticorpos e a de NS1 podem ser realizadas por testes rápidos ou convencionais. Exames de biologia molecular e sorologia também estão disponíveis para diagnóstico de zika e chikungunya.

Uma coisa é fato: as ferramentas estão à nossa disposição. Precisamos entender a importância delas e usá-las para subsidiar políticas de controle epidemiológico para que sejam efetivas.

As lições da Covid-19 nos mostraram que, no controle de doenças infecciosas, devemos ampliar a testagem para planejar e agir prontamente.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

* Melissa Valentini é infectologista do Grupo Pardini

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.