Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Síndrome do X Frágil: uma deficiência intelectual pouco conhecida

Ela é a segunda causa mais comum de deficiência intelectual com origem genética. E, ainda assim, pouca gente ouviu falar, o que dificulta o diagnóstico

Por Isabella Ortiz, do DB Molecular e DB Patologia*
20 abr 2024, 07h00

As descobertas relacionadas à Síndrome do X Frágil são relativamente recentes, com os primeiros registros a partir da década de 1970. Talvez por esse motivo, muitas pessoas nunca tenham ouvido falar dessa condição, apesar de hoje em dia ocupar o segundo lugar como causa mais frequente de déficit intelectual com origem genética – apenas atrás da Síndrome de Down.

Os dados de incidência não estão claramente consolidados no país, mas estudos afirmam que aproximadamente um em cada 6 mil homens e uma em cada 4 mil mulheres são afetados pelo problema.

Mas afinal, do que estamos falando? A Síndrome do X Frágil é uma condição genética e hereditária ligada ao cromossomo X que afeta o desenvolvimento neuropsicomotor. Isso gera uma ampla gama de sintomas intelectuais, comportamentais e físicos, que variam de leve a grave.

Para uma compreensão mais aprofundada, é relevante lembrar que cada indivíduo possui 23 pares de cromossomos, dos quais um par determina o sexo biológico. Os homens têm um cromossomo X e um cromossomo Y (XY), enquanto as mulheres possuem dois X (XX).

Continua após a publicidade

Em uma das extremidades do cromossomo X, existe uma pequena região conhecida como “sítio frágil”, onde está localizado o gene FMR1. Quando ele está fora da normalidade, é possível observar um aumento de repetições de algumas sequências de DNA que podem inibir a produção da proteína FMRP, essencial para o desenvolvimento de várias funções cerebrais e outros órgãos.

Portanto, quando o número de repetições dessa região for superior a 200 vezes, o gene FMR1 não funcionará corretamente e, consequentemente, não produzirá a proteína FMRP em quantidade suficiente. Essa ausência é responsável pela ocorrência da Síndrome do X Frágil, e nesse cenário consideramos que o paciente possui uma mutação completa.

+Leia também: Síndrome de Patau: conheça os sintomas e como é feito o diagnóstico

Existem também os pacientes em uma faixa intermediária denominada pré-mutação, que engloba indivíduos com 50 até 200 cópias dessa repetição. Nesse caso, o gene alterado ainda está funcionando, e essas pessoas, em geral, não apresentam sintomas.

Mas eles podem transmitir o quadro adiante – e, aí, a mutação tende a ser completa. Os homens transmitem a pré-mutação para todas as suas filhas, mas para nenhum de seus filhos, uma vez que a alteração está presente apenas no cromossomo X.

Por outro lado, os filhos de uma mulher portadora têm 50% de probabilidade de herdar o gene alterado, pois sempre recebem um cromossomo X da mãe.

Continua após a publicidade

Os indivíduos do sexo masculino (XY) com mutação completa sempre manifestarão a Síndrome do X Frágil. Já as mulheres (XX) com mutação completa podem não ser afetadas, pois, além do cromossomo X alterado, há ainda outro cromossomo X com o gene FMR1 saudável – e isso pode ser suficiente para evitar os sintomas. Nesse sentido, nas meninas a Síndrome do X Frágil geralmente é menos grave.

A definição do quadro clínico ainda é um dos maiores desafios na prática médica, pois os sintomas são variados e inespecíficos. É comum que os pacientes recebam diagnósticos de outros distúrbios que também envolvem o desenvolvimento intelectual, como TDAH e autismo.

Com a evolução da ciência e da medicina, o melhor exame para identificar a Síndrome do X Frágil é o diagnóstico molecular. Por meio de uma simples amostra de sangue, é possível extrair o DNA do paciente e analisá-lo para determinar se há ou não mutação na região específica do gene FMR1.

Continua após a publicidade

Um diagnóstico preciso e, de preferência, precoce é fundamental para o início de intervenções e terapias personalizadas que auxiliam no tratamento e manejo dos sintomas, melhorando a qualidade de vida dos pacientes. Além disso, a detecção no tempo certo proporciona suporte adequado às famílias, que muitas vezes se sentem perdidas nessa jornada.

Adicionalmente, o teste genético desempenha um papel na identificação de portadores assintomáticos da mutação do gene do X Frágil, possibilitando a implementação de ações preventivas, como aconselhamento genético e planejamento familiar.

Mas a tecnologia, sem acesso aos cuidados e a informação, não é suficiente. Tanto que, em 2023, o DB Diagnósticos, juntamente com os mais de 9 mil laboratórios parceiros em todo o território nacional e com o apoio ao “Programa Eu Digo X”, do Instituto Buko Kaesemodel de Curitiba, atendeu mais de 1 500 pacientes diagnosticados em todas as regiões do país.

Continua após a publicidade

A partir da relevância do tema, uma campanha de conscientização que dá voz àqueles que convivem com o X Frágil foi lançada. Pesquise mais e se informe. Juntos, podemos aumentar a conscientização sobre a Síndrome do X Frágil e fazer a diferença!

*Isabella Ortiz é bacharel em Ciências Biológicas, Mestre em Biologia Molecular e Gerente de Produto Nacional do DB Molecular e DB Patologia

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.