Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Síndrome do Pôr do Sol: entenda o que é e como lidar

O quadro, marcado por uma confusão mental que surge quando à noite se aproxima, traz desafios principalmente no cuidado de pessoas com demências

Por Janaína Rosa, enfermeira*
Atualizado em 17 jan 2024, 10h13 - Publicado em 17 jan 2024, 09h12

Considerada um estado de confusão mental em que os sintomas aparecem quando o fim do dia se aproxima e a noite começa a chegar, a Síndrome do Pôr do Sol é mais comum entre os idosos com doenças neurodegenerativas, como demência e Alzheimer

Segundo uma pesquisa da Global Burden of Disease publicada no The Lancet Public Health, até 2050 o número de brasileiros vivendo com demência deve aumentar 206%. Isso quer dizer que a quantidade de pessoas com a doença no país deve saltar de 1,8 milhão para 5,6 milhões. 

Números assim indicam que a Síndrome do Pôr do Sol também deve se tornar mais prevalente. A confusão mental desse quadro pode vir acompanhada de grande dificuldade para dormir, já que esse sentimento angustiante perdura por toda noite.

Nesse sentido, é importante regular o sono, já que ele pode ser diretamente prejudicado em pessoas nessas condições. Por isso, elaborar uma rotina antes de dormir, com música calma e relaxante e diminuição de ruído, auxilia diretamente no sono. Além disso, vale reduzir o número de pessoas no ambiente para diminuir a agitação e proporcionar mais calma nesse momento.

Continua após a publicidade

+Leia também: Saúde mental das mulheres merece atenção redobrada

Como em toda síndrome, cada paciente tem suas especificidades – por isso um tratamento individualizado e acompanhado por um médico especialista precisa ser feito. A companhia de um cuidador para administrar medicações e realizar as atividades necessárias nos horários determinados é uma grande ajuda para a preservação do bem-estar desse idoso.

Principalmente em casos de pessoas com algum tipo de demência, a conversa e explicação de tudo o que está acontecendo pode facilitar o processo e evitar o nervosismo nos idosos. Tranquilidade e paciência são palavras-chave.

Continua após a publicidade

Ao prestar atenção nos sinais dados por idosos acometidos pela Síndrome do Pôr do Sol e buscar ajuda profissional para um tratamento adequado, o bem-estar do paciente certamente será beneficiado.

*Janaína Rosa é formada em Enfermagem e especializada em Saúde do Idoso, com extensão nas temáticas de Saúde Mental e Assistência Domiciliar Multiprofissional. Há 5 anos, é Coordenadora Técnica da Home Angels, uma rede de cuidadores de idosos supervisionados

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.