Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Síndrome de Sjögren: quando a boca e os olhos ficam secos

Essa doença autoimune é confundida com muitos outros problemas. Veja seus sintomas e como diferenciá-los

Por Virgínia Moça Trevisani, reumatologista* 23 jul 2022, 18h24

A Síndrome de Sjögren é uma doença que compromete principalmente as glândulas que produzem lágrimas e saliva. Em resumo, elas deixam de funcionar adequadamente, o que causa sintomas como secura nos olhos e na boca. 

É uma doença crônica que ocorre por uma alteração no sistema imunológico, que passa a causar inflamação e um funcionamento não adequado principalmente das glândulas mencionadas. 

As causas por trás disso ainda são pouco conhecidas. Mas pesquisas indicam que, em pessoas predispostas geneticamente, fatores ambientais como infecções virais e alterações hormonais e emocionais podem desencadear a doença. 

Ela acomete nove mulheres para cada homem, especialmente na faixa etária entre os 40 e 60 anos, porém pode ocorrer em qualquer idade. A prevalência é de 0,03% a 4,5% dependendo da região avaliada e dos critérios utilizados para o diagnóstico. É uma variação enorme!

A síndrome de Sjögren pode acontecer isoladamente ou associada a outras doenças reumáticas, como a artrite reumatoide, o lúpus eritematoso sistêmico e a esclerodermia. 

Compartilhe essa matéria via:

Geralmente, as pessoas demoram para reconhecer que fadiga ocular, sensação de areia, coceira vermelhidão, embaçamento da visão e sensibilidade à luz são sinais de olho seco. Da mesma forma, ardência na língua, feridas nos cantos da boca, infecções fúngicas, dificuldade para mastigar e engolir alimentos sólidos e cáries frequentes podem acusar a boca seca. 

A secura, aliás, estende-se à pele, à região vaginal e ao trato respiratório, o que causa tosse seca e irritativa principalmente à noite. A terceira manifestação clínica mais frequente na Síndrome de Sjögren é um cansaço intenso, caracterizado por exaustão e dificuldade para fazer as atividades da vida diária. 

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Há, em média, uma demora de 6 a 10 anos para que o diagnóstico da doença ocorra. Um dos motivos é o desconhecimento sobre a doença, mas outro envolve principalmente as características clínicas apresentadas pelos pacientes, que são comuns em situações mais prevalentes, como fibromialgia, hipotireoidismo, diabetes, menopausa e uso de medicamentos para depressão, alergias e pressão arterial.

Continua após a publicidade

Cerca de metade dos pacientes com Síndrome de Sjögren podem manifestar acometimento em outros sistemas, como articulações, pele, pulmões, rins, pâncreas, fígado, sistema digestivo, sistema hematológico e o sistema nervoso central e periférico. 

Todas as pessoas com sinais e sintomas de olho seco, boca seca – associado ou não à fadiga – devem ser investigadas para várias doenças, inclusive para Síndrome de Sjögren.  

Para fechar o diagnóstico, o reumatologista conta com a ajuda do oftalmologista, que lança mão de exames que confirmam que o olho do paciente está seco. Também é necessário avaliar o fluxo salivar, ou seja, a quantidade de saliva produzida em dado tempo. Outro exame é o que pesquisa a presença de autoanticorpos como o anti Ro/SSA no sangue, indicador da Síndrome de Sjögren. 

Mas, caso o anticorpo (anti Ro/SSA) venha negativo e a suspeita no diagnóstico permaneça, o reumatologista pode prosseguir com a investigação e solicitar uma biópsia da chamada glândula salivar menor. É uma técnica cirúrgica minimamente invasiva que ajuda na comprovação do diagnóstico. 

O tratamento consiste principalmente no controle dos sintomas. Orientações como piscar os olhos, evitar ficar longos períodos no celular e no computador e usar óculos escuros sempre que sair em ambientes ensolarados são importantes.

Para a saúde da boca, pode-se usar saliva artificial, estimulantes para produção de saliva (como chicletes com xilitol) e higienização oral cuidadosa em casa. Pelo menos a cada três meses, vale visitar o cirurgião dentista. 

Já para a pele e a região vaginal, recomenda-se o uso diário de cremes ou gel hidratantes. Existem produtos específicos para pessoas que apresentam secura – converse com o seu reumatologista.

Mas e a fadiga? Estudos científicos mostram que exercícios físicos ajudam a amenizar essa sensação.  

O tratamento com medicações sistêmicas, quando necessário, será orientado pelo reumatologista. Aliás, esse é o médico especialista no tratamento de pacientes com síndrome de Sjögren. Cabe ressaltar, no entanto, que o tratamento é multidisciplinar e necessita da participação do oftalmologista, do cirurgião dentista, do ginecologista, do fisioterapeuta e do educador físico. 

*Virgínia Moça Trevisani é médica reumatologista, membro da Comissão Científica da Sociedade Paulista de Reumatologia SPR e Coordenadora da Comissão de Síndrome de Sjögren pela Sociedade Brasileira de Reumatologia. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês