Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Precisamos falar (também) sobre o câncer de endométrio

Problema é mais comum após a menopausa e novo tratamento acaba de ser aprovado no Brasil

Por Vanessa Fabricio, diretora médica de oncologia da GSK*
19 abr 2022, 14h59

É fato: precisamos falar mais sobre os tumores ligados ao aparelho reprodutor feminino e despertar a consciência de todas as mulheres, seus companheiros e familiares para a importância do acompanhamento ginecológico e a necessidade do diagnóstico precoce.

Uma das doenças pouco abordadas com o público em geral é o câncer de endométrio. O endométrio é o tecido que reveste a parte interna do útero e leva ao sangramento quando as mulheres estão menstruadas

Também está sujeito à formação e ao crescimento de células malignas. É o o sexto câncer mais prevalente em mulheres em todo o mundo, principalmente naquelas com idade acima de 60 anos e após a menopausa.

Somente 20% das mulheres com câncer de endométrio estão na fase de pré-menopausa. E apenas 5% têm idade inferior aos 40 anos.

+ LEIA TAMBÉM: Novas luzes sobre a endometriose

Nesse contexto, o diagnóstico precoce é facilitado, pois o principal sintoma é o sangramento vaginal em mulheres após a menopausa, que deve sempre alertar para uma consulta com especialista. Inclusive, quando diagnosticado precocemente, a chance de cura do câncer de endométrio é alta.

Continua após a publicidade

O tratamento da doença também passa por avanços. Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu aprovação regulatória para o dostarlimabe, da GSK. Trata-se de uma imunoterapia para uso em pacientes com câncer de endométrio avançado ou recorrente.

Com essa nova medicação, temos a primeira monoterapia com anticorpo monoclonal humanizado para essa indicação disponível no Brasil, reforçando nosso compromisso de ampliar o leque de tratamentos e melhorar a qualidade de vida das mulheres com câncer.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

A aprovação é relevante pois representa uma saída no tratamento de mulheres que receberam quimioterapia, apresentaram piora durante este tratamento e não mais responderam a ela, situação em que as opções anteriores eram restritas.

A eficácia e a segurança do medicamento foram avaliadas em um estudo com 104 pacientes com carcinoma de endométrio. As análises indicaram que, dentre as pacientes que responderam, as probabilidades de manter a resposta em seis e 12 meses foram de 96,4% e 76,8%, respectivamente, e a taxa de controle da doença foi de 57,7%.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

O dostarlimabe apresentou um perfil de segurança tolerável, sendo diarreia e fadiga as reações adversas mais comuns durante o estudo.

Com informação e acesso aos avanços da medicina, é possível mudarmos o quadro dos cânceres ginecológicos no Brasil. Por isso, mais do que nunca, precisamos trazer o câncer de endométrio para o centro do debate e discutir como podemos melhorar o tratamento e a qualidade de vida das pacientes.

* Vanessa Fabricio é oncologista e diretora médica de Oncologia da GSK

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.