Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Precisamos encarar o colesterol alto como um problema sério

Ele é um dos principais fatores de risco por trás de infartos e AVCs. Professor explica o tamanho do perigo

Por Andrei Sposito, cardiologista* 17 Maio 2022, 09h16

Como médico e professor de cardiologia, me deparo diariamente com questões e dúvidas focadas no coração. No entanto, é importante entender que a aterosclerose, o processo de formação das placas capazes de obstruir as artérias, atinge muito mais que um só órgão.

Estamos falando de uma doença que acomete o corpo inteiro e para a qual existe um conjunto de fatores de risco. Um dos principais é o colesterol alto.

O colesterol é carregado na corrente sanguínea em microesferas chamadas lipoproteínas. A LDL é uma delas: distribui o colesterol pelo organismo e seu excesso é o maior responsável pelo desencadeamento da aterosclerose.

Só que colesterol alto não dói, ninguém se queixa disso.

+ LEIA TAMBÉM: Entenda a diferença entre os tipos de colesterol

Basicamente, a aterosclerose é caracterizada por placas repletas de gordura dentro da parede das artérias que podem obstruir o fluxo de sangue cronicamente ou se romper, causando uma oclusão aguda em um vaso. É o que está por trás do infarto do miocárdio e do AVC isquêmico.

Nesse sentido, a aterosclerose é a principal causa de morte no Brasil. E, mesmo quando os eventos não são fatais, deixam sequelas e uma maior chance de recorrência.

Continua após a publicidade

Portanto, a relação é clara: conter os níveis de LDL (popularmente chamado de “colesterol ruim”) é indispensável para reduzir o risco cardiovascular e ganhar longevidade.

Para pessoas que já tiveram eventos cardiovasculares, é necessário manter o LDL-colesterol abaixo dos 50 mg/dL. Contudo, os centros de referência apontam que 62% dos pacientes não estão na meta recomendada.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Para o LDL ficar sob controle, um estilo de vida saudável é importante, mas insuficiente. Isso significa que cuidar da alimentação, da prática de exercícios e afins é bem-vindo, só que o uso continuado de medicamentos é inescapável. Falamos de remédios largamente estudados e considerados seguros e eficazes.

Em suma, o LDL-colesterol é um fator de risco cardiovascular controlável cujo tratamento pode aumentar a expectativa e a qualidade de vida. Colesterol é coisa séria e precisa ser visto como uma “dor” urgente.

Compartilhe essa matéria via:

* Andrei Sposito é professor titular de cardiologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e diretor do Laboratório de Biologia Vascular e Aterosclerose da instituição

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)