Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Parceria público-privada expande acesso a hormônio do crescimento no país

Somatropina passou a ser produzida e fornecida ao SUS por laboratório público após acordo com farmacêutica nacional

Por Elisa Guimarães Motta, Carla Gottgtroy, Amanda de Miranda Marques e Aline Dockhorn, assessoras médicas da Bio-Manguinhos/Fiocruz*
11 mar 2022, 10h53

O hormônio do crescimento, também conhecido como GH (do inglês growth hormone), é aquele responsável por promover o crescimento e o desenvolvimento do corpo. É produzido e secretado pela glândula hipófise, que se localiza próxima à base do crânio.

Foi isolado pela primeira vez em 1956 a partir da hipófise humana pelos cientistas Choh Hao Li e Harold Papkoff, mas sua estrutura bioquímica só foi totalmente elucidada em 1972.

Em 1981, com o domínio da engenharia genética, foi possível desenvolver o hormônio do crescimento humano recombinante pela primeira vez em laboratório. E a molécula vem sendo aperfeiçoada ao longo das décadas. 

Hoje, ela é mais conhecida e comercializada como somatropina. A produção desse medicamento biológico em maior escala tem permitido o controle de muitas condições até então sem tratamento. No Brasil, ele é disponibilizado aos pacientes do SUS desde 2010.

A medicação é indicada para o tratamento da deficiência do hormônio do crescimento, doenças genéticas como síndrome de Turner e síndrome de Prader-Willi e baixa estatura sem causa definida. Também é prescrita como terapia de reposição em adultos com déficit do hormônio. 

Compartilhe essa matéria via:

Acredita-se que em torno de 16 mil meninas vivam com síndrome de Turner e 15 mil pessoas tenham deficiência do hormônio do crescimento no Brasil. Hoje a medicação é liberada gratuitamente no SUS para essas duas indicações, que chegam a somar aproximadamente 30 mil pacientes.

A ausência de algumas das indicações de bula na lista de fornecimento obrigatório pela assistência farmacêutica na rede pública leva a somatropina a entrar na lista dos remédios mais judicializados do Brasil.

No período entre 2013 e 2017, ocupava o terceiro lugar no ranking de medicações que mais tramitavam na Justiça no estado do Rio Grande do Norte, e ainda correspondia a mais de 30% dos processos dessa natureza no estado de Goiás em 2019.  

Em 2020, Bio-Manguinhos/Fiocruz passou a produzir e fornecer somatropina ao SUS. Essa conquista só foi possível graças a uma Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) entre o instituto público e o laboratório nacional Cristália. É a única PDP de um medicamento biológico que chega ao SUS 100% nacional, uma vez que envolve dois laboratórios brasileiros. 

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Continua após a publicidade

As PDPs visam ampliar o acesso a medicamentos e produtos para saúde considerados estratégicos à rede pública por meio do fortalecimento do complexo industrial do país.

O objetivo principal das parcerias é fomentar o desenvolvimento nacional e reduzir os custos de aquisição das medicações que são atualmente importadas ou que representam um alto custo para o SUS. 

A produção de somatropina viabilizada pelo acordo entre Bio-Manguinhos/ Fiocruz e o Cristália permite maior disponibilização de frascos ao sistema público de saúde, gerando maior acesso aos pacientes que dependem do hormônio e economia ao Brasil.

Essa parceria e esse tipo de política pública abrem a possibilidade de que, no futuro, tenhamos uma ampliação na lista de condições beneficiadas com acesso gratuito ao medicamento pelo SUS. 

* Elisa Guimarães Motta, Carla Gottgtroy, Amanda de Miranda Marques e Aline Dockhorn são integrantes da equipe de Assuntos Médicos e Assistenciais da Assessoria Clínica da Bio-Manguinhos/Fiocruz

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.