Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Odontologia digital: onde estamos e para onde podemos ir?

Escaneamento, radiografia e anestesia digital, moldes em 3D... Como a tecnologia vem tornando mais seguros e eficientes os procedimentos odontológicos

Por Fernando Pereira Pastor, cirurgião-dentista*
13 ago 2022, 10h29

A tecnologia tornou-se uma grande aliada da área da saúde, trazendo inovações em exames, procedimentos e tratamentos. Na odontologia não é diferente. Cada vez mais dispositivos e softwares estão presentes nos consultórios e clínicas. As tecnologias são reais, prontas para serem utilizadas por profissionais treinados. No entanto, o acesso a elas ainda lembra uma ficção no Brasil.

Radiografia e anestesia digitais, escâneres e exames de tomografia de alta definição garantem hoje melhores diagnósticos e planejamentos mais previsíveis e assertivos no tratamento. A habilidade do cirurgião-dentista sempre será o guia do acompanhamento e dos procedimentos, mas é inegável que, nas últimas duas décadas, vivenciamos uma mudança enorme na odontologia.

Conseguimos ser menos invasivos e mais conservadores, isto é, preservar o natural ao invés de substituí-lo, tornando as intervenções mais duradouras. Esse viés de conservação mantém a dentição mais longeva e saudável, com menores desgastes. As cirurgias guiadas pela tecnologia também são mais precisas e rápidas, com o pós-operatório muito mais satisfatório do que 20 anos atrás.

+ LEIA TAMBÉM: A nova geração dos implantes dentários

A fotografia digital permite uma análise facial completa e os escâneres modernos melhoram a captura de imagem e substituem os materiais de moldagem, aquela “massinha” utilizada pelo cirurgião-dentista para fazer o molde da boca do paciente. Isso propicia uma imagem mais fidedigna da cavidade bucal.

O escaneamento é uma tecnologia nova no Brasil. Ele produz uma imagem digital, que nos orienta em diversos procedimentos, como elaboração de facetas de porcelana ou placas de mordida para quem tem bruxismo. Com a massa de moldagem convencional, levamos em torno de 10 minutos para obter esse “quadro”. Com o escâner apenas 2 minutos.

Continua após a publicidade

Outro benefício para o paciente é que o escâner possui um sistema que identifica, com a ajuda do infravermelho, a cárie entre os dentes, o que normalmente só era identificado por meio de radiografia.

Aliado à tomografia, esse equipamento permite que se faça um guia da boca em acrílico, materializado com uma impressora 3D para nortear cirurgias e zerar a margem de erro nos procedimentos. Acredito que num futuro próximo todas as cirurgias serão guiadas assim.

Nesse contexto, temos ainda a anestesia digital computadorizada, em que o próprio sistema dosa a quantidade de anestésico que será administrada de forma estratégica e indolor.

Além disso, o próprio aparelho de raio-x evoluiu com o processo digital. Com uma máquina convencional, precisa-se de meio segundo a 1 minuto para fazer a radiografia, o que é pouco tempo. Mas, com a nova tecnologia, são só 0,08 segundos, possibilitando que o exame seja feito em gestantes (depois do terceiro mês de gravidez) e crianças, por exemplo.

Por fim, o prontuário eletrônico permite que todos os dados do paciente sejam armazenados em nuvem. Com isso, podemos acessar essas informações ao longo de toda a jornada de cuidados dentais, em qualquer lugar do mundo, e compartilhá-las com outros colegas e com as equipes multidisciplinares.

Continua após a publicidade

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Porém, como estamos em um processo de evolução, essas tecnologias ainda são uma realidade cara e exigem investimentos e treinamentos pelo país. É o que discuti na palestra “Odontologia digital: realidade ou ficção? Onde estamos agora”, ministrada no último Congresso Internacional de Odontologia de São Paulo (CIOSP).

Levando em consideração a questão social, em que grande parte da população depende de atendimento público ou de clínicas mais baratas, sabemos que existem limitações de acesso e os investimentos se refletirão no bolso do cidadão. Mas acreditamos e trabalhamos para que, nos próximos anos, essas inovações estejam disponíveis a todos.

Compartilhe essa matéria via:

* Fernando Pereira Pastor é cirurgião-dentista, mestre em Implantodontia e especialista em Prótese Dentária

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.