Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Obesidade na gestação aumenta riscos para mãe e bebê

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), um terço das grávidas apresenta algum distúrbio nutricional, seja por excesso ou falta de nutrientes

Por Eduardo Cordioli, médico obstetra*
30 out 2023, 09h49

Considerado um dos maiores encontros internacionais da área obstétrica, o Congresso Mundial de 2023 da Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO), realizado em Paris (França) reuniu mais de 10 mil congressistas de 80 países para ouvir 500 palestrantes e contou com mais de 200 sessões de debates.

Além de atualizar os profissionais com novos estudos e discutir temas relevantes para a assistência materno-fetal, o encontro também traz propostas de ações globais em parceria com a Organização Mundial de Saúde (OMS), Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e agências governamentais.

Como um dos destaques, pode-se mencionar os debates sobre os riscos associados à obesidade na gravidez tanto para a mãe quanto para o bebê.

Gestantes com obesidade têm mais risco de apresentarem diabetes gestacional, hipertensão, pré-eclâmpsia, além do aumento da necessidade de cesárea e infecções.

Continua após a publicidade

Já para o bebê, o quadro materno pode elevar o risco de prematuridade, macrossomia fetal — nascimento com peso elevado —, defeitos congênitos e obesidade ou diabetes na vida adulta.

+ Leia também: Grávidas devem se exercitar três dias por semana

De acordo a Organização Mundial de Saúde (OMS), entre as principais causas de morte materna está a pré-eclâmpsia. A doença pode levar a complicações para a mãe e o bebê, incluindo hemorragia cerebral, insuficiência hepática, renal, problemas cardiovasculares e parto prematuro.

Continua após a publicidade

Por isso, é importante que as mulheres recebam orientações sobre os sintomas e tratamento dessa condição, bem como sejam monitoradas adequadamente na gravidez. Mais ainda, usando conceitos da obstetrícia de alta precisão, certas gestantes podem ser identificadas durante o pré-natal como suscetíveis ao alto risco de ocorrência de pré-eclâmpsia, mesmo antes de ter algum sinal da doença.

Medidas preventivas

Algumas intervenções e mudanças de estilo de vida podem ser propostas para diminuir a chance de da pré-eclâmpsia acontecer e, se ocorrer, que se apresente de uma forma mais amena e em uma idade gestacional mais avançada, impactando menos a saúde do feto.

É fundamental que as gestantes tenham acompanhamento nutricional adequado, visando garantir a ingestão balanceada de micro e macronutrientes.

Continua após a publicidade

A atenção à nutrição materna não se refere apenas à saúde da mãe, mas também à influência dessa alimentação no desenvolvimento fetal e no futuro bem-estar da criança.

+ Leia também: O que é pré-eclâmpsia? Saiba identificar sintomas e riscos

Também segundo a OMS, um terço das pacientes grávidas apresenta algum tipo de distúrbio nutricional, seja por excesso ou falta de nutrientes. Os dois cenários podem afetar a maneira como os genes do feto são expressos, com consequências que podem se manifestar ao longo de toda a vida do indivíduo.

Continua após a publicidade

Entramos, aqui, na seara da epigenética – área da biologia que estuda a forma como as nossas experiências de vida, desde a gestação, pode alterar o comportamento dos nossos genes.

Por exemplo, o consumo excessivo de carboidratos durante a gravidez é considerado por muitos especialistas como um dos teratógenos mais potentes, ou seja, agentes que podem causar malformações no feto.

+ Leia também: Guia do pré-natal: entenda sua importância e como ele deve ser feito

Este fator, aliado a outros hábitos alimentares inadequados, pode predispor a criança a obesidade, diabetes tipo 2 e problemas cardiovasculares.

Diante disso, podemos enfatizar que cada paciente é única e pode necessitar de recomendações específicas, levando em consideração seu estado de saúde, hábitos e necessidades nutricionais.

Para todas, contudo, a alimentação saudável, a prática regular de exercícios físicos e a realização de exames periódicos são essenciais para garantir uma gravidez saudável e um futuro promissor para o bebê.

Continua após a publicidade

*Eduardo Cordioli, diretor-técnico de obstetrícia do Grupo Santa Joana

Compartilhe essa matéria via:

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.