Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Lupa no rótulo: não podemos nos acostumar com o que nos faz mal

Símbolo que aponta excesso de nutrientes nocivos à saúde em embalagens de alimentos e bebidas não pode passar despercebido no mercado

Por Laís Amaral, nutricionista*
17 Maio 2023, 18h37

É norma: por determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), todos os alimentos e bebidas com alto índice de açúcar adicionado, gordura saturada e/ou sódio são obrigados a estampar uma lupa na parte da frente de suas embalagens, como forma de aviso sobre os danos à saúde que seu consumo excessivo pode causar.

Entre as doenças relacionadas ao abuso estão a obesidade, o diabetes, problemas do coração e alguns tipos de câncer.

Acompanhada da inscrição “alto em”, a lupa é um aviso aos consumidores de que determinado produto carrega teores elevados de uma ou mais dessas três substâncias – ou das três ao mesmo tempo – em quantidades muito além das indicadas por especialistas.

Essa regra entrou em vigor no final do ano passado e será implementada de maneira gradual no Brasil até 2025.

Alimentos e bebidas lançados após outubro de 2022 já ostentam a lupa em suas embalagens. Infelizmente, ficaram de fora da regra outros ingredientes como os edulcorantes (ou adoçantes), que entendemos essenciais de serem destacados.

A mudança, fruto de um trabalho árduo da sociedade civil e da academia sem conflitos de interesses, é importante, mas deve ser interpretada de maneira crítica.

Isso porque parte da indústria vem tentando “suavizar” a presença do selo nas embalagens, na forma como o coloca nos rótulos, buscando desvinculá-lo dos comprovados prejuízos de seus produtos à saúde.

Continua após a publicidade

Os fabricantes fizeram de tudo para dificultar a adoção do modelo de rótulo frontal “alto em” pela Anvisa e, depois de forte pressão de entidades como o Idec, a mudança se concretizou.

O formato, no entanto, é bem mais sutil se comparado ao de outros países latino-americanos, e distante do que as evidências científicas apontam ser mais efetivo para a compreensão e utilização do rótulo por parte dos consumidores.

+ LEIA TAMBÉM: O que muda com a nova rotulagem brasileira?

Chile, Peru, Uruguai, México e Argentina vêm protagonizando políticas públicas para a promoção da alimentação saudável há bastante tempo.

O Chile conta com o selo frontal de advertência nas embalagens desde 2016 e os demais países, desde 2020, com exceção da Argentina, que aprovou a lei em 2021.

Os octógonos frontais são grandes e bem evidentes. Aqui, apesar de a norma ter sido aprovada em 2020, o prazo de implementação só começou no ano passado e será finalizado em 2025. Tampouco rotulará todos os alimentos e bebidas que deveriam ser rotulados.

Continua após a publicidade

Para o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), é urgente e necessário que as indústrias brasileiras de alimentos e bebidas considerem realmente os impactos de seus produtos na saúde da população e no meio ambiente.

É importante lembrar que o Guia Alimentar para a População Brasileira recomenda evitar os ultraprocessados, mesmo que eles sejam reformulados.

A população precisa priorizar os alimentos in natura e minimamente processados, a comida de verdade. E conhecer o que, de fato, leva cada embalagem.

* Laís Amaral é nutricionista e coordenadora do Programa de Alimentação Saudável e Sustentável do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec)

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.