Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Implante dentário dói? Entenda como funciona o pós-cirúrgico

Tempo de recuperação, cuidados que devem ser tomados... O que saber para reduzir o risco de complicações após essa cirurgia que substitui dentes perdidos

Por Fernanda Oliani, dentista e consultora técnica da Oral Sin*
11 fev 2024, 12h47

A perda de um dente impacta não só a estética, mas principalmente a saúde bucal. Felizmente, temos os implantes dentários à disposição. Só que esse tratamento gera muitas dúvidas, principalmente sobre dores, necessidade de repouso e outros cuidados no pós-operatório.

Antes de entrar nessa parte, é preciso entender que a função dessa intervenção nada mais é do que substituir dentes perdidos. O implante é uma estrutura de titânio cirurgicamente introduzida nos ossos maxilares.

Esse procedimento substitui as raízes perdidas com a extração ou a queda de dentes. Já as próteses, que podem ser removíveis ou fixas, são estruturas cuja função é restabelecer a função mastigatória e estética – é a parte visível do tratamento.

As próteses podem estar fixadas em implantes, como é o caso da prótese protocolo, ou serem removíveis, como ocorre com a dentadura.
De modo geral, a aplicação do implante não é dolorosa, porque o paciente permanece anestesiado durante a cirurgia. Além disso, o osso onde é feito o furo conta com pouquíssimas inervações, o que minimiza o risco de incômodos.

+Leia também: Falta de higiene bucal pode contribuir para demência

Entretanto, é possível que o paciente sinta alguma dor no pós-operatório. Nesses casos, o cirurgião pode receitar analgésicos e antibióticos.

Continua após a publicidade

Para diminuir os desconfortos no pós-operatório é preciso seguir à risca as recomendações do dentista e fazer repouso por, pelo menos, um dia. Também não se deve cuspir e bochechar (para não correr o risco de causar sangramentos) e fazer exercícios físicos nos primeiros dias e se expor ao sol.

O procedimento é simples e sem maiores complicações. Fundamental mesmo é buscar um especialista para fazer o diagnóstico do caso e verificar a necessidade do implante dentário.

É nessa etapa que o dentista avalia o histórico do paciente e sua estrutura óssea, para entender se será possível a realização do tratamento. Após esse exame, é feita a cirurgia para a colocação do pino no osso.

O procedimento dura cerca de 30 a 40 minutos e, então, é necessário aguardar o período de osseointegração, que leva de três a seis meses.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Continua após a publicidade

Com o osso integrado, o cirurgião abre novamente a região do implante para que o paciente receba o dente artificial. É feito um corte na gengiva para acessar o osso maxilar ou mandibular onde se encontra o implante, que substituirá a raiz do dente artificial e funcionará como base de apoio para a prótese.

A chamada “fase protética” é caracterizada por uma sequência de etapas que culminará na instalação da coroa protética (o dente substituto). Nessa etapa, é possível escolher a cor, o formato e o material da prótese.

A fixação é feita por meio de parafusos ou cimentação. As próteses rosqueáveis se destacam por proporcionar reversibilidade aos casos e segurança e confiança aos pacientes.

*Fernanda Oliana é consultora técnica da rede de clínicas odontológicas Oral Sin e graduada em Odontologia pela Universidade Estadual de Londrina.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.