Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Envelhecimento da região dos olhos: como prevenir e tratar

A pele dessa área é naturalmente mais fina, o que pode causar tanto problemas estéticos, a exemplo de rugas e olheiras, como funcionais. Cirurgião explica

Por Por Marcelo Sampaio, cirurgião plástico*
25 mar 2022, 10h22

Desde o início da pandemia da Covid-19, a região dos olhos ficou em evidência por conta do uso das máscaras faciais. Nos consultórios – até mesmo por meio de teleconsultas – e em buscas no Google, surgiram perguntas na linha: “como melhorar as olheiras”, “como minimizar rugas” e “como levantar o olhar”.

Essa área tem uma pele naturalmente mais fina e pode indicar os primeiros sinais de envelhecimento, que apresenta causas multifatoriais: desde a falta de cuidados até doenças que levam à queda das pálpebras. Selecionei as principais. Confira:

Rugas

Também chamadas de pés de galinha, elas aparecem pelo constante movimento do falar, sorrir e comer. A pele vai vincando até as marcas ficarem profundas.

Para evitar esse estágio, o ideal é usar ácidos específicos e protetor solar. A toxina botulínica também paralisa os músculos, minimizando o aspecto enrugado de forma temporária, por cerca de quatro meses – quando necessita de uma reavaliação e reaplicação.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

Nos casos mais severos, usa-se a técnica da blefaroplastia, uma cirurgia plástica reparadora que remove o excesso de pele e bolsas de gordura, tratando de forma definitiva o olhar cansado.

Esse procedimento está em 6º lugar no ranking das cirurgias plásticas realizadas no Brasil, de acordo com a última pesquisa da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (2018).

Continua após a publicidade

Olheiras

São manchas que acontecem por fatores genéticos, como o padrão dos ossos do rosto; vasculares (tons de roxo); por excesso de pele (tons mais escuros); e mesmo por questões hormonais.

Quando a pessoa não tem uma boa noite de sono tudo fica ainda mais evidente e os pigmentos, que são marrons, surgem pelo acúmulo de melanina.

Em alguns casos, é preciso investir em ácidos para prevenção e clareamento da região.

Continua após a publicidade

Mas nem sempre eles serão a salvação – sobretudo quando falamos em profundidade, quando apenas o ácido hialurônico pode ser utilizado para preencher. Esse elemento também deve ser reaplicado em mais ou menos um ano, que é o tempo que leva para ele ser absorvido pelo organismo.

Tudo o que for gelado – como o rolo de jade, chá de camomila, rodelas de pepino e colher – leva a uma vasoconstrição no local, melhorando momentaneamente a aparência das olheiras.

Além disso, é essencial investir em bons hábitos, como dormir bem, evitar o consumo excessivo de álcool e de açúcar e (tentar) abandonar o cigarro.

Continua após a publicidade

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Problemas funcionais

Um exemplo é a ptose, também conhecida como “olho de peixe morto”. Essa situação pode acontecer por fatores genéticos (até mesmo em jovens), senilidade, questões relacionadas à inervação e/ou o enfraquecimento do músculo da pálpebra ou por doenças que causam a paralisia dos nervos oculares. Ela pode reduzir o campo visual, fazendo a pálpebra cair por cima dos olhos.

A cirurgia para a correção da ptose pode ser associada ou não à blefaroplastia, procedimento também utilizado para a blefarocalase, uma doença parecida com a ptose, mas que, muitas vezes, é acompanhada de processos inflamatórios, edemas, além do surgimento de bolsas palpebrais. A pessoa chega a ter dificuldade em abrir os olhos e restrição do campo visual.

Continua após a publicidade

Outras condições estão relacionadas ao envelhecimento e levam a um tipo de flacidez na alça da pálpebra inferior, fazendo com que os cílios virem em direção aos olhos. Aí eles encostam na córnea, o que causa incômodos e irritações. Chamamos o quadro de entrópio.

Há ainda o ectrópio, quando a pálpebra inferior cai, expondo a conjuntiva (aquela mucosa avermelhada). Para ambas as situações é realizada a cirurgia de correção, que pode ou não ser feita em conjunto com a blefaroplastia.

Se você tiver algum dos problemas mencionados, é importante procurar logo um especialista, porque eles podem piorar sem o tratamento adequado.

*Marcelo Sampaio (@clinicamarcelosampaio) é especialista em cirurgia geral e cirurgia plástica pelo Hospital das Clínicas (USP) e faz parte do corpo clínico do Hospital Sírio-Libanês. É membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e correspondente tnternacional da American Society of Plastic Surgeons.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.