Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

El Niño, virada de tempo e primavera: o combo perfeito para a rinite

Momento atual cria um ambiente propício para o surgimento de crises alérgicas. Entenda os motivos e como amenizá-las

Por Maria Letícia Chavarria, imunologista*
15 set 2023, 10h21

Os sintomas da rinite alérgica são bem conhecidos por quem sofre com as crises. Coceira frequente no nariz e/ou nos olhos; espirros seguidos, principalmente pela manhã e à noite; coriza frequente; e obstrução nasal. Eles estão presentes mesmo quando o indivíduo não está resfriado.

Ambientes empoeirados, ácaros, mofo, cheiros fortes, como perfumes e produtos de limpeza, pelos de animais e polens são alguns dos gatilhos das crises de rinite. E o que a primavera e o El Niño têm a ver com isso tudo?

Pois bem, caro leitor, a transição de estação, que traz oscilação de temperatura, somada ao fenômeno climático — caracterizado pelo aquecimento anormal das águas, aumento da umidade e temperaturas mais elevadas — cria um ambiente propício para o crescimento de alérgenos, como pólen e mofo.

Esses fatores contribuem para a irritação da mucosa nasal e, consequentemente, o desencadeamento de crises respiratórias, entre elas a rinite.

Vale lembrar que a primavera é uma estação conhecida pelo aumento da concentração de pólen no ar, principalmente no Sul do País. Portanto, a irritação no nariz tende a aumentar.

Continua após a publicidade

Quando o El Niño e a primavera coincidem, a combinação desses fatores pode resultar em uma temporada particularmente desafiadora para os indivíduos com rinite alérgica. Com a piora significativa dos sintomas, a qualidade de vida e a produtividade dessas pessoas pode ser afetada.

+ Leia também: Com mundo mais quente, aumenta o impacto das mudanças climáticas na saúde

Como amenizar a rinite alérgica

É possível adotar várias medidas preventivas e de tratamento, como consultar um médico especialista, que orientará sobre a melhor conduta de tratamento, e como minimizar exposição a alérgenos.

Além disso, estar ciente das condições climáticas, incluindo eventos como fenômenos e trocas de estação, pode ajudar as pessoas a se prepararem para esses períodos desafiadores.

Continua após a publicidade

Listo abaixo algumas dicas que podem ajudar as prevenir as crises de rinite:

  • Colchões e travesseiros devem ser colocados dentro de capas impermeáveis aos ácaros;
  • Evite tapetes, carpetes, cortinas e almofadas, especialmente nos dormitórios;
  • Dê preferência aos pisos de cerâmica, vinil e madeira e às cortinas do tipo persiana ou de material que possa ser limpo com pano úmido;
  • Passe pano úmido diariamente na casa ou use aspirador de pó com filtros especiais (HEPA) 2 vezes na semana;
  • Evite banhos extremamente quentes e oscilação brusca de temperatura, assim como a inalação de odores fortes como perfume, aromatizador de ambiente, incenso e cigarro.

Problema comum

Não contagiosa e de fundo hereditário, a rinite alérgica atinge 26% das crianças. Em adolescentes, esse percentual vai a 30%, de acordo com dados do ISAAC (Estudo Internacional de Asma e Alergias na Infância).

E há um forte componente hereditário: um bebê com pai e mãe alérgicos tem uma chance de 50% a 70% maior de desenvolver a doença.

Com medidas preventivas, todos podemos passar pela estação mais florida do ano e pelo El Niño com menos espirros e mais saúde.

Continua após a publicidade

*Maria Letícia Chavarria é coordenadora do Departamento Científico de Rinite da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.