Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

É possível prevenir o câncer de testículo?

Especialista expõe fatores de risco envolvidos na doença e em que medida podemos evitá-la

Por João Brunhara, urologista* 5 mar 2022, 10h58

Diferentemente da maioria dos tumores malignos, o câncer de testículo afeta sobretudo os homens mais jovens, principalmente aqueles com idade entre 15 e 40 anos. Portanto, é esse grupo que precisa ficar atento à doença, ainda que ela também ocorra, em menor proporção, em crianças e idosos.

Em comparação com o câncer de próstata, alvo de muitas campanhas − a ponto de 95% dos brasileiros reconhecerem a importância do diagnóstico precoce, como mostra pesquisa da Omens e do Datafolha −, o tumor de testículo é bem menos falado e conhecido.

Essa é uma boa razão para ressaltar que, se for diagnosticado em fase precoce, as chances de cura ficam acima de 90%. Mas, afinal, tem como prevenir o câncer de testículo?

Sabemos que alguns dos fatores de risco não são evitáveis. Por exemplo, a doença é mais comum em pessoas de etnia branca e com histórico familiar do problema.

+ Leia também: Coronavírus pode afetar a saúde dos testículos, apontam estudos

Por outro lado, há fatores em que poderíamos intervir. Estudos sugerem que usuários de maconha correm maior risco. Da mesma forma, a infecção pelo HIV está associada a tumores no testículo.

Porém, o principal fator predisponente é a chamada criptorquidia − condição em que, ao nascimento, os testículos não se encontram na bolsa escrotal mas dentro do abdômen.

Existe uma tendência de que essa situação se resolva sozinha nos primeiros meses após o nascimento. Se, depois de 6 a 12 meses de idade, os testículos não descerem, é indicada a correção cirúrgica.

Continua após a publicidade

Quando a operação é realizada no tempo correto, o risco de desenvolver câncer no futuro fica apenas um pouco mais elevado em comparação com as pessoas que não nasceram sem criptorquidia.

Porém, se a correção é postergada por anos ou deixa de ser feita, há um aumento substancial na propensão ao tumor.

Compartilhe essa matéria via:

Então, sim, há medidas para diminuir o risco de um câncer no testículo. Na prática, homens jovens, sobretudo com esse histórico, devem ficar atentos a sinais como aumento no tamanho do testículo, aparecimento de nódulos, endurecimento ou desconforto na região. São sintomas que pedem uma avaliação médica.

Encorajo especialmente o autoexame, uma avaliação que o próprio homem pode fazer pelo menos uma vez por mês.

Ele deve palpar cada um dos testículos à procura de massas anormais, áreas endurecidas ou mudanças sensíveis de tamanho. Se algo estranho for notado, é hora de procurar um urologista. Como eu disse, com o diagnóstico precoce, as chances de cura são altíssimas.

* João Brunhara é urologista, médico do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, e diretor da Omens, plataforma que trata problemas de saúde sexual masculina

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)