Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Doação de sangue: vermelho é a cor da cidadania

No Junho Vermelho, o líder do Movimento Eu Dou Sangue dá um recado importante sobre a transfusão sanguínea

Por Debi Aronis, do Movimento Eu Dou Sangue*
Atualizado em 25 nov 2019, 12h23 - Publicado em 30 jun 2019, 11h42

Engana-se quem acha que estamos falando de política. Embora a cor vermelha tenha ganhado uma forte tendência ideológica, a pauta aqui é doação de sangue.

O sangue é vermelho desde sempre. Muito antes de Karl Marx nascer ou do mundo se transformar nessa imensa travessa de água e óleo onde pessoas com formas diferentes de pensar não se misturam de modo algum, ele já tinha essa cor.

E é aí que a doação de sangue desponta como uma forma genuína de exercício da cidadania e uma verdadeira ação da cultura de paz.

É o momento em que as pessoas, através de um gesto único e desinteressado, dão de si literalmente para o bem do outro. Para um desconhecido. Um completo estranho.

O doador e o receptor provavelmente jamais se encontrarão, mas estão ligados por algo que une todos os seres humanos: o sangue!

Continua após a publicidade

É por isso que nós do Movimento Eu Dou Sangue entendemos o ato de doar sangue como uma expressão de cidadania e uma forma efetiva de se promover a paz.

A escolha do verbo “dar” ao invés do verbo “doar” para o nome do movimento também não foi um acaso. Estamos habituados a doar o que não usamos mais, o que não queremos mais ou o que não precisamos mais. Nenhuma dessas afirmações se aplica ao sangue.

Outra constatação decisiva para a escolha do verbo é que a expressão “dar sangue” já vem carregada de outro significado.
Dar sangue é se importar, é se envolver, é dar de si.

Mais uma mensagem que remete à cidadania, não é mesmo?

Continua após a publicidade

O Junho Vermelho, que teve início em 2014 por iniciativa do Movimento Eu Dou Sangue, foi uma das formas encontradas para incentivar o brasileiro a incluir a doação de sangue em seu dia a dia.

Somos, de uma forma geral, um povo bastante solidário. Nos mobilizamos em situações de tragédias e calamidades públicas para arrecadar alimentos não perecíveis, água, roupas, cobertores e até dinheiro.

Contudo a doação de sangue não consta da lista de ações solidárias de 98,2% da população brasileira (apenas 1,8% é doadora de sangue). Na Europa, esse número mais que triplica em alguns países.

Isso significa que o europeu é mais solidário que o brasileiro? Talvez seja, o que eu duvido, mas não baseado nesse indicador.

Continua após a publicidade

O fato é que os europeus têm em seu passado recente muito mais episódios trágicos e dramáticos onde a necessidade de doações de sangue era enorme. Guerras mundiais, terremotos, atentados terroristas e calamidades de grandes proporções estão latentes na memória de todo o continente.

O Brasil, como diria Jorge Ben Jor, “é um país tropical, abençoado por Deus, e bonito por natureza”. No entanto, toda benção e beleza a nós concedida não impede que tenhamos nossas próprias tragédias e calamidades.

E se, graças a Deus, não sabemos por aqui o que é uma guerra desde o século 19, temos a nossa violência urbana diária e cotidiana, que de guerra só não tem o nome.

Continua após a publicidade

Mas eu estaria sendo alarmista e prestando um desserviço à causa se vinculasse a doação de sangue apenas a casos extremos. A transfusão de sangue é um procedimento utilizado em diversas circunstâncias e, principalmente, em tempos de paz.

Cirurgias de alta complexidade como transplantes e cirurgias cardíacas são apenas algumas das situações em que as transfusões são indicadas. Pacientes em tratamento quimioterápico, portadores de anemias (especialmente a falciforme) e parturientes são outros entre os muitos beneficiados.

E se por um lado aumenta o número de pacientes que precisam de sangue, por outro as restrições para que alguém possa realizar a doação são cada vez mais maiores.

Epidemias de dengue, zika e chikungunya, o aumento da incidência de aids e o retorno de doenças como sífilis, febre amarela e até sarampo são algumas das condições que impedem que o sangue de quem foi afetado seja coletado para transfusão.

Continua após a publicidade

Outro exemplo são os portadores de tatuagens e piercings. Por 12 meses, eles não podem doar sangue.

Portanto não basta termos o desejo de realizar uma doação de sangue. É preciso estarmos aptos para tal.

Ainda me lembro da decepção e do nó na garganta quando fui “barrada no baile”. A bem da verdade, eu não pude doar sangue naquela ocasião e muito menos depois dela.

Eu nunca doei sangue na vida, o que não me impede de “dar sangue” há mais de nove anos, incentivando outras pessoas a fazerem o que eu não posso.

Quem sabe você, que está lendo este artigo aí do outro lado, sinta-se motivado a dar sangue também. Como eu, talvez não esteja apto. Mas teremos atingido nosso objetivo como Movimento se de alguma forma você se dispuser a se envolver, a se importar e a dar de si!

Então, o vermelho é ou não é a cor da cidadania?

*Debi Aronis é uma das fundadoras do Movimento Eu Dou Sangue

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.