Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Conteúdo de qualidade sobre saúde mental é detox perfeito para algoritmos

Especialistas destacam a necessidade de conteúdos de qualidade sobre saúde mental serem divulgados pelas grandes plataformas de redes sociais

Por Felipe Moretti, Ronald Fischer e Fernando Bozza*
16 abr 2024, 17h46

As mídias sociais podem possibilitar a distribuição democrática da informação, o que favorece múltiplas formas de expressão e gera conexões ágeis na esfera profissional e pessoal. No entanto, seu uso disfuncional tem se tornado, lamentavelmente, um lugar comum nos últimos tempos

Ataques em escolas que, de alguma forma, são inspirados ou estimulados por usuários dessas redes; ações massivas contra celebridades ou pessoas comuns, em julgamentos morais sem qualquer espaço ao contraditório, nos chamados “cancelamentos”; disseminação de notícias deliberadamente falsas e desinformação para obtenção de dividendos eleitorais. Infelizmente, todos já ouviram falar de uma ou mais situações com essas características. 

No Congresso Nacional, o projeto de lei que propõe a regulação das plataformas digitais por onde circulam essas informações torna obrigatória a moderação do conteúdo publicado na internet de modo que condutas consideradas irregulares possam ser identificadas, sinalizadas ou excluídas. E a responsabilidade por esse “detox” passa a ser das próprias plataformas, que deverão zelar pelo que é entregue aos usuários por meio de seus algoritmos.

+Leia também: Já pensou em fazer um detox digital? 

Se, por um lado, as redes sociais são enormes fontes de tristeza, dor e ódio – pois se beneficiam da circulação de notícias falsas, campanhas de desinformação e da polarização política –, por outro, é possível encontrar formas mais saudáveis de prender a atenção de quem as utiliza. Informação de qualidade pode dar ibope. 

Estudos conduzidos por pesquisadores do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino, em colaboração com Redes da Maré e Fiocruz, mostraram que a tecnologia pode ser uma importante aliada nos cuidados com a saúde mental, principalmente de jovens. E, em um cenário de reduzido acesso a profissionais capacitados na promoção dessa necessidade, ela se torna crucial para garantir um pouco de conforto e bem-estar, especialmente para quem vive em contextos de maior vulnerabilidade.

Vale lembrar que, segundo a Organização Mundial da Saúde, 970 milhões de pessoas sofrem de distúrbios mentais em todo o mundo, sendo que 82% delas vivem em países de baixa e média renda. Além disso, esses países possuem menos do que um profissional de saúde mental para cada 100 mil habitantes.

Continua após a publicidade

Como parte dos estudos conduzidos no conjunto das favelas da Maré no Rio de Janeiro, o levantamento feito com 357 participantes mostrou que 79% dos entrevistados consideram importante ter mais informações sobre saúde mental em formatos como áudios, vídeos e aplicativos. Desses formatos, os com maior grau de preferência foram os aplicativos (59%) e vídeos (56%), seguidos por áudios (35%) e livretos (32%).

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

A maior parte dos respondentes (63,6%) também expressou interesse em participar de atividades envolvendo cuidados com a saúde mental, sendo que a maioria deles (47%) gostariam de realizar tais encontros de maneira tanto presencial quanto online.

Ao mesmo tempo, embora 62% dos respondentes considerem que serviços digitais visando a saúde mental sejam úteis, pouquíssimos participantes do levantamento (4%) chegaram a utilizá-los em algum momento de suas vidas. 

A conclusão da pesquisa, que teve apoio do escritório de Atlanta do Centro de Controle de Doenças dos EUA (CDC-Atlanta) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), revela que o potencial de uso da telessaúde para os cuidados com a saúde mental em comunidades vulnerabilizadas é pouco explorado. Há oportunidades que podem ser cobertas por políticas públicas capazes de promover serviços digitais para populações em desvantagem socioeconômica. 

A atuação governamental deve ter como foco medidas para ampliar a popularidade da telessaúde e das ações de educação em saúde mental, aumentando a penetração de soluções comerciais para dar mais opções aos pacientes.  

Continua após a publicidade

Para atender às necessidades desse público, entretanto, deve-se trabalhar com design, formato e linguagem compatíveis com a realidade cultural e educacional dessas populações. Eis nossa principal sugestão às donas do Instagram, Facebook, X (ex-Twitter), YouTube, TikTok e assemelhados. Com suas enormes capacidades de impulsionar o que esse público gosta de ver e assistir nas redes sociais, por que não começar a identificar, capacitar e promover conteúdos que contribuam – ao invés de minar – a saúde mental de nossa juventude?  

Talvez resida aí uma estratégia promissora para a tão necessária desintoxicação dos algoritmos.

*Felipe Moretti é psicólogo, pós-doutorando do Instituto D´OR de Pesquisa e Ensino, onde desenvolve pesquisassobre soluções digitais de promoção de saúde mental, como a plataforma (https://saudemental.idor.org/). Ronald Fischer é doutor em Psicologia Social pela Universidade de Sussex, e pesquisador no Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino, onde lidera estudos sobre culturas, crenças e intervenções em saúde mental. Fernando Bozza é médico, pesquisador titular da FIOCRUZ e coordena pesquisas em Medicina Intensiva no Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino, onde liderou diversos estudos relacionados à Covid-19 em comunidades vulneráveis no Rio de Janeiro.  

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.