Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

É hora de conscientizar os brasileiros sobre o mieloma múltiplo

No mês voltado a esclarecer esse tipo de câncer, o Março Borgonha, paciente e ativista explica suas características e o desafio do diagnóstico precoce

Por Rogério de Sousa Oliveira, presidente da ABRAMM* 6 mar 2020, 14h44

Em agosto de 2011, um formigamento nos pés, que para mim não passava de um problema de circulação, me levou ao médico e ao diagnóstico de mieloma múltiplo. Trata-se de um câncer na medula óssea, raro e desconhecido pela população — inclusive por grande parcela da sociedade médica.

Devo a descoberta da doença à minha esposa, que insistiu para que eu buscasse uma avaliação médica. Nós, homens, somos muitas vezes resistentes e relapsos no quesito saúde.

Entre o incômodo e o diagnóstico foram três meses. Infelizmente, não é o que acontece com a maioria dos pacientes. Por ser um câncer desconhecido e seus sintomas se assemelharem muito aos de doenças comuns, é frequente que os sinais do problema sejam ignorados e, assim, não chegamos ao diagnóstico no tempo adequado.

Eu passei por quimioterapia, radioterapia e transplante autólogo de medula óssea. Estou bem, não faço uso de medicamentos desde dezembro de 2013 e apenas mantenho o acompanhamento clínico a cada três meses. Porém, essa condição é privilégio de poucos. O desconhecimento da doença retarda o diagnóstico e, consequentemente, agrava o estado de saúde do paciente.

Continua após a publicidade

Como forma de agradecimento por receber o diagnóstico precocemente, desde maio de 2012 minha esposa e eu realizamos um trabalho social para divulgar a doença nos mais variados meios de comunicação.

O mieloma múltiplo representa 1% de todos os tipos de câncer e 10% dos tumores hematológicos. Ele se desenvolve na medula óssea devido ao crescimento descontrolado de um tipo de glóbulo branco (célula de defesa), os plasmócitos.

Elenco alguns sinais e sintomas do problema:

  • Cansaço e fraqueza devido à anemia
  • Infecção urinária ou nas vias aéreas que ocorre constantemente
  • Fraturas espontâneas
  • Dor óssea, com mais frequência nas costas e no peito
  • Deficiências do sistema imunológico
  • Níveis elevados de cálcio no sangue
  • Concentração alta de proteínas no sangue e/ou na urina

Em caso de suspeita ou dúvida, procure um médico. O diagnóstico é feito, em geral, por um hematologista. Para saber mais e acompanhar nosso trabalho de conscientização, acompanhe a Associação Brasileira de Mieloma Múltiplo em nosso site e nos nossos canais no Facebook, no Instagram e no YouTube.

* Rogério de Sousa Oliveira é paciente, advogado na área da saúde e presidente da Associação Brasileira de Mieloma Múltiplo (ABRAMM)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês