Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Combater a asma grave exige fôlego do paciente

Diagnóstico preciso e tratamento contínuo são essenciais para prevenir as crises dessa versão mais intensa da doença respiratória

Por Roberto Stirbulov, pneumologista*
Atualizado em 14 jan 2020, 19h32 - Publicado em 12 mar 2019, 18h06

A asma é uma doença respiratória que afeta cerca de 300 milhões de pessoas em todo o mundo. Estimativas apontam que, da população com esse problema crônico, entre 5% e 10% apresentam a forma mais grave, que causa falta de ar, inúmeras idas ao hospital e perda da qualidade de vida. Esse quadro severo também é marcado por episódios constantes de crises (as chamadas exacerbações), mesmo com o tratamento adequado, que inclui altas doses de corticoide inalatório e oral diariamente.

Vale ressaltar que o diagnóstico preciso é de extrema importância para distinguir uma asma tratada inadequadamente de outra realmente grave, que inclusive possui maior propensão de levar à morte.

Compete a nós, médicos envolvidos diariamente com o tema, fazer um diagnóstico preciso para chegarmos ao tratamento mais eficaz. Na outra ponta, o paciente deve entender e exercer, na prática, o papel de comprometimento com o tratamento que lhe cabe. Ou seja, ser fiel ao que lhe foi prescrito.

Isso porque é comum a interrupção dos medicamentos nos períodos sem sintomas. O raciocínio é simples. Como estou bem, não preciso me cuidar mais – pois é exatamente aí que mora o perigo.

Não podemos nos esquecer que o controle preventivo, que permite uma vida sem sustos e longe das perigosas exacerbações causadas pela asma, só é possível graças ao tratamento determinado pelo médico. E o uso dos remédios e de outras táticas requer disciplina e continuidade, mesmo durante os períodos em que a doença, teoricamente, não apresenta manifestações.

Essa prática deve ser adotada no ano inteiro – seja no frio, com as baixas temperaturas, ou no calor, quando o clima é mais seco.

Continua após a publicidade

É justamente quando a pessoa entra numa certa “zona de conforto” e deixa de tomar o medicamento por achar que está segura que surgem as crises e as internações, aumentando o risco de óbito. Ao falarmos sobre asma, ainda mais de sua forma grave, a adesão contínua e ininterrupta à terapia indicada é essencial.

Seguir essa estratégia aumenta a chance de uma rotina normal, diminui as idas emergenciais ao hospital e reduz possíveis complicações. Aliás, a versão grave da asma é responsável por mais de 50% do custo total dos investimentos em tratamento com essa enfermidade.

A boa notícia: recentemente, tivemos um avanço significativo com a chegada de terapias modernas que até devolver uma rotina normal de atividades ao paciente. A evolução no manejo da asma grave passou a contar com tecnologias seguras que auxiliam no controle da doença.

Um desses exemplos é o anticorpo monoclonal humanizado que pretende suprir uma necessidade não atendida, impactando positivamente na qualidade de vida do indivíduo. De acordo com os estudos clínicos, essa medicação pode diminuir em 50% o uso de corticoides orais e 60% o número de internações hospitalares e as visitas à emergência causadas pelas exacerbações.

Continua após a publicidade

Apesar dessas ferramentas, a adesão ao tratamento no Brasil ainda é ruim, porque não se tem a noção de que a asma pode matar. A pessoa melhora e deixa a terapia de lado.

Como já reforçamos, o indicado é seguir prolongadamente as indicações médicas para que o indivíduo tenha uma vida mais próxima do normal possível.

*Roberto Stirbulov, médico pneumologista, professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.