Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

A luta contra as doenças tropicais negligenciadas continua

Professor explica por que a sociedade precisa se mobilizar para vencer problemas de saúde pública como dengue, Chagas e hanseníase

Por Dr. Adriano D. Andricopulo, especialista em química medicinal*
Atualizado em 5 fev 2020, 17h30 - Publicado em 5 fev 2020, 12h28

O último dia 30 de janeiro marcou o primeiro Dia Mundial das Doenças Tropicais Negligenciadas (DTNs), um esforço de mais de 280 instituições de pesquisa, organizações da sociedade civil, empresas e governos ao redor do mundo para expressar a necessidade urgente de reunir esforços e investimentos globais para esse tema.

Não se trata de uma data comemorativa, apesar de todas as inúmeras conquistas alcançadas ao longo de décadas no controle dessas enfermidades. Mas a data é especial na medida em que traz a oportunidade de notabilizar um dos maiores problemas de saúde pública com consequências socioeconômicas calamitosas — doenças que mostram uma das faces mais cruéis da desigualdade de um mundo globalizado.

As DTNs afetam 1,6 bilhão de pessoas em mais de 150 países, sobretudo as mais pobres e desfavorecidas em regiões tropicais e subtropicais do planeta, principalmente na África, na Ásia, na América Latina e no Caribe. O número de mortes pode chegar a 500 mil ao ano, com o agravante de causar grande sofrimento e incapacidade permanente em homens, mulheres e crianças. São gerações perdidas e condenadas à doença e à miséria.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), as DTNs são representadas atualmente por 20 condições. Algumas são muito conhecidas por nós, como a doença de Chagas, a leishmaniose, a hanseníase, a dengue e chikungunya, a esquistossomose e a raiva. Embora estejam presentes em nosso planeta há milhares de anos, seguem sem ser erradicadas.

O Brasil, que reúne em seu território todas as doenças listadas pela OMS, é líder da América Latina em número de casos de doença de Chagas, leishmaniose, hanseníase, dengue e esquistossomose.

Continua após a publicidade

Marco importante em 2012, a Declaração de Londres sobre Doenças Tropicais Negligenciadas projetou o controle, eliminação ou erradicação de dez doenças até 2020, mas não alcançou seus objetivos, tornando notável que o mundo precisa fazer muito mais para combater as DTNs.

A OMS, por sua vez, estabeleceu como meta acabar com elas até 2030, mas o histórico impõe a urgência de novos paradigmas e ações multilaterais de cooperação em educação, ciência, saúde, tecnologia, infraestrutura, planejamento estratégico, entre outros. Melhores métodos de diagnóstico, práticas de prevenção mais eficazes e novos medicamentos são necessários. Precisamos investir em inovação para alcançar o propósito de eliminar essas doenças.

Segundo o relatório do G-Finder 2019, principal plataforma que monitora o investimento global em pesquisa e desenvolvimento de produtos para doenças negligenciadas, o investimento para combater as DTNs foi quase 10% menor em 2018 em relação a 2009. Enquanto isso, o financiamento para HIV/Aids, tuberculose e malária decolaram nos últimos três anos. Não surpreende, portanto, o fato de que todas as inovações terapêuticas significativas das últimas décadas terem se destinado exatamente ao tratamento dessas doenças.

Continua após a publicidade

No século 21, por exemplo, não houve avanços em relação a novos fármacos representados pelas chamadas novas entidades químicas (NCEs). Das 428 NCEs que chegaram ao mercado farmacêutico, nenhuma foi indicada para o tratamento de qualquer uma das 20 doenças tropicais negligenciadas.

O Brasil, por sua vez, apresenta queda em investimentos nas cinco DTNs definidas pelo Ministério da Saúde como prioritárias. São elas: dengue, doença de Chagas, leishmaniose, hanseníase e esquistossomose. Dados do relatório G-Finder mostram que, entre 2007 e 2017, o financiamento caiu mais de 40% em todas as cinco áreas, com destaque para a hanseníase, com queda de 95%. É preciso lembrar que nosso país ocupa o segundo lugar no mundo em casos de hanseníase, logo atrás da Índia. Somente em 2018, mais de 28 mil novos casos foram notificados.

O cenário atual é desafiador. Que a criação dessa data e desse movimento reforce um compromisso improrrogável para todos nós: combater as doenças tropicais negligenciadas e salvar vidas.

* Dr. Adriano D. Andricopulo é especialista em química medicinal e planejamento de fármacos para doenças tropicais negligenciadas e professor do Instituto de Física de São Carlos da Universidade de São Paulo 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.