Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

A cannabis pode ser aliada no tratamento da Covid-19?

Médica comenta evidências iniciais que colocam substâncias da planta como potenciais aliadas contra a infecção pelo coronavírus

Por Maria Teresa Jacob, médica especialista em dor* 24 Maio 2021, 10h10

Na busca por tratamentos contra a Covid-19 e suas consequências ao organismo, um artigo publicado no final do ano passado na revista científica Frontiers in Pharmacology indica que a cannabis é capaz de atuar na chamada tempestade inflamatória associada à infecção pelo coronavírus.

O estudo foi realizado em modelos animais em cima do THC (um dos fitocanabinoides da planta) e administrado via intraperitoneal (no abdômen) de camundongos. O tratamento atenuou a inflamação nos pulmões, resultando em 100% de sobrevivência.

O achado lança luz sobre a possibilidade de usarmos a cannabis como tratamento complementar de quadros de Covid-19. Sabemos que essa infecção pode provocar a síndrome da angústia respiratória aguda e, em casos graves, levar a falência de múltiplos órgãos e morte. O estudo aponta que as células imunológicas, entre outras no organismo, produzem canabinoides próprios, os endocanabinoides, o que explicaria a ação dos fitocanabinoides nesse contexto.

Estudos com humanos devem ser feitos para comprovar o papel da cannabis na Covid-19, mas temos bons indícios de que ela pode ser útil e uma opção a mais de tratamento. Pacientes com quadros graves, que necessitam de internação em UTI, tendem a apresentar níveis elevados de citocinas inflamatórias. E a cannabis poderia ser adicionada às terapias anti-inflamatórias para conter esse problema.

Além dessa ação, a cannabis ajuda a controlar o desequilíbrio no humor, dores persistentes, sensação de fadiga e distúrbios de apetite que, com frequência, permanecem após o quadro agudo.

Pesquisas em todo o mundo mostram que principalmente o THC mas também o CBD (outro fitocanabinoide) têm propriedades anti-inflamatórias. Os autores do estudo voltado à Covid-19 sugerem que os canabinoides atuam em diferentes vias e em grande número de células para suprimir a inflamação e, portanto, podem auxiliar a deter a tempestade de citocinas causada pelo coronavírus.

É por isso que os cientistas da Universidade de Nebraska e do Texas Biomedical Research Institute, nos Estados Unidos, recomendam que os experimentos com cannabis continuem ocorrendo. Podemos nos certificar em breve de que a planta é uma nova aliada nesta pandemia.

* Maria Teresa Jacob é médica especialista em dor crônica e em cannabis medicinal, membro das Sociedades Internacional e Brasileira para o Estudo da Dor e da International Association for Cannabinoid Medicines (IACM)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês