Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Boa Pergunta Por Blog Dúvidas sobre saúde enviadas pelos leitores são respondidas pela redação com o apoio de especialistas.

Bebê pode dormir de bruços?

Pediatras explicam o motivo pela qual essa posição é perigosa e dão outras dicas de como manter a criança protegida (e de olhos fechados!) no descanso

Por Fabiana Schiavon Atualizado em 15 jun 2022, 17h38 - Publicado em 14 jun 2022, 12h45

É comum que mães e pais de primeira viagem tenham dúvidas sobre a maneira mais segura de colocar o bebê para descansar. A leitora Maria Aparecida Linhares, de São Paulo, leitora de Veja Saúde, pergunta se os pequenos podem dormir de bruços.

Os pediatras são categóricos na hora de responder que a posição não é recomendada, principalmente no primeiro ano de vida.

“Desde a década de 1970, estudos apontam que as maiores causas de morte por asfixia têm ligação com essa posição do bebê durante o sono”, explica Gustavo Antônio Moreira, presidente do Departamento Científico de Sono da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

“Quando dorme de barriga para baixo, o bebê recebe menos oxigênio e elimina do gás carbônico com menos eficiência”, completa a pediatra Eugênia Maria Amoêdo Amaral, da BenCorp.

Outro ponto é que dormir de bruços leva a um sono mais profundo, lembra o presidente da SBP. Isso parece bom, mas… “Se houver uma situação de asfixia, a criança demora mais perceber e tentar sair da posição”, reitera Moreira.

Um artigo do Jama Pediatrics de 1999 corrobora essas informações e ainda esclarece que as mortes súbitas por asfixia ocorrem com mais frequência na primeira noite em que a criança é colocada de bruços. Justamente porque ainda não tem habilidade para se mexer quando sentir algum desconforto.

Esse mesmo motivo, aliás, justifia o receio dos especialistas de deixar o pequeno dormir de lado. “A partir dos 4 ou 6 meses de vida, o bebê consegue rolar na cama, mas nem sempre têm a habilidade de voltar caso o corpo caia de bruços”, explica Moreira.

Infelizmente, não há uma idade média definida na qual os pequenos passam a conseguir virar a barriga para cima quando se encontram de bruços. O jeito é observar o sono do bebê para identificar essa fase – até lá, a regrá é mantê-lo de barriga para cima. “A posição reduz em até 70% o risco de morte súbita por asfixia”, reforça Eugênia.

Compartilhe essa matéria via:

Como evitar que uma criança que se mexe muito acabe fique de bruços no berço por si só?

A dica de Moreira é clássica: deixar o berço sem nenhum objeto. “Nada de fraldinha no rosto ou travesseiro. O bebê pode se enroscar em itens como esse”, afirma o pediatra da SBP. É importante que o lençol esteja bem preso ao colchão nas pontas e cubra apenas até o tórax, deixando os braços livres. Bichos de pelúcia? Só fora do berço mesmo.

+ Leia também: 7 orientações para o seu filho dormir melhor

Continua após a publicidade

Se estiver muito frio, melhor deixar a criança bem agasalhada do que enchê-la de cobertores. “A temperatura do quarto precisa estar neutra: nem muito quente, nem gelada”, afirma Moreira.

Outra dica é verificar se o pescoço está retinho para facilitar a abertura da garganta.

Há alguns anos, a Academia Americana de Pediatria divulgou diretrizes para prevenir acidentes durante o sono do bebê:

– Coloque o bebê de costas no berço, em uma superfície firme
– Nunca deixe-o dormir em sofás, cadeiras ou travesseiros sem a supervisão de um adulto
– Evite itens macios no berço, incluindo cobertores, travesseiros e bichos de pelúcias
– Não exponha a criança, mesmo que indiretamente, a fumo, álcool ou outras drogas. Isso aumenta o risco de morte súbita.
– Mantenha a vacinação em dia (parece maluquice, mas isso evita que o bebê fique doente e, portanto, congestionado, o que dificulta a respiração noturna)
– Evite colocar o filho para dormir na sua cama. Em vez disso, deixe o berço no mesmo quarto dos pais para diminuir a probabilidade de algum problema no sono

De bruços durante o dia

Atenção: a posição de bruços não deve ser abolida por completo da rotina do bebê. Durante o dia, é bom investir nela como uma espécie de treino de força.

“É recomendável ficar nessa posição diariamente, por períodos curtos, mas somente quando o pequeno estiver acordado e atento. Nessas condições, ela traz benefícios físicos e motores, e esse efeito já é sentido no primeiro mês de vida”, esclarece Eugênia.

Essa posição ajuda a fortalecer os músculos do pescoço, peito e costas, previne o achatamento da cabecinha do bebê e o ajuda a construir a força necessária para sentar, rolar, rastejar, engatinhar e andar.

“Ela ainda incentiva o bebê a explorar o ambiente sob nova perspectiva. De barriga para cima, ele enxerga apenas o teto e um pouco do que está a sua volta. De bruços, irá levantar a cabecinha para observar de novos ângulos”, completa a pediatra.

Alguns exercícios:

  • Coloque um cobertor no chão em uma área livre. Após uma troca de fralda ou soneca, coloque o bebê de bruços sobre o cobertor de três a cinco minutos, no máximo. Tente fazer isso duas ou três vezes por dia. Depois que ele se acostumar, pode ir aumentando a frequência
  • Variar as superfícies sobre as quais o bebê ficará de bruços também é interessante para que conheça diferentes texturas. Tapetes higienizados, o chão limpo ou até mesmo a pele do seu corpo podem dar suporte ao pequeno
  • Quando o bebê já tiver por volta de 6 meses de vida, providencie brinquedos apropriados para a idade e coloque à frente dele, como forma de incentivá-lo a alcançá-los. Outra ideia é ficar na frente dele para gerar uma interação, encorajá-lo e até mesmo melhorar o vínculo afetivo.

Vale a pena conversar com um profissional de saúde especializado para entender quando é a melhor hora de introduzir esses exercícios.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)