Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Boa Pergunta Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Dúvidas sobre saúde enviadas pelos leitores e leitoras são respondidas com o apoio de profissionais da área.
Continua após publicidade

Piebaldismo: o que é e qual a diferença do vitiligo

As duas condições estão associadas a manchas brancas na pele e descoloração do cabelo ou pelos, mas há particularidades (e as causas são diferentes)

Por Lucas Rocha
30 jan 2024, 13h49

A presença de manchas brancas na pele, relacionada à falta de pigmentação, é associada a duas condições clínicas: o vitiligo e o piebaldismo, que é menos conhecido.

Embora sejam semelhantes na aparência, as duas doenças apresentam causas diferentes e também se desenvolvem de maneiras distintas.

Leia também: Batalha interna: o que se sabe sobre doenças autoimunes e como tratá-las

O que é piebaldismo?

O piebaldismo é uma doença rara de origem genética. Ele causa manchas brancas na pele e no cabelo, em geral desde o nascimento. Isso porque essa alteração genética diminui a quantidade de melanócitos, as células que produzem melanina (pigmento que dá cor à pele), em certas partes do corpo.

“Ao nascer, observam-se as manchas que não se alteram no decorrer da vida“, afirma a dermatologista Patricia Karla de Souza, do Hospital Israelita Albert Einstein. Essa, aliás, já é uma diferença para o vitiligo, condição na qual as lesões podem migrar e se expandir com o tempo.

Continua após a publicidade

As manchas do piebaldismo até podem surgir no tronco e nos braços e pernas, mas elas são mais comumente observadas no centro da testa. “É uma mancha branca por ausência total de pigmentação, de formato triangular, que se segue a uma mecha branca nos cabelos“, descreve Patricia.

Até por causa dessa mecha branca, o piebaldismo é associado à Cruella, personagem do desenho animado “101 Dálmatas”, da Disney.

Além da ausência total de pigmentação da pele e o acometimento das lesões na testa em 90% dos casos, não existe nenhum outro sintoma associado ao piebaldismo. “Essa doença não leva a nenhum dano maior no organismo”, pontua Patricia.

O principal fator de risco é a presença da alteração genética na mãe ou no pai. “Quando um dos pais carrega a doença, há 50% de chance de um filho nascer com a mesma condição”, diz a dermatologista.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Melanina: e se esse pigmento que dá cor e protege a pele virasse um creme?

Qual a diferença entre vitiligo e piebaldismo?

Ok, tanto o piebaldismo quanto o vitiligo estão associados a manchas brancas na pele e descoloração do cabelo ou pelos causadas pela ausência de produção de melanina.

Contudo, as causas das duas condições não são iguais, como explica o dermatologista Thales Bretas, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). “O piebaldismo surge por questões genéticas, e as alterações são percebidas ao nascimento ou na primeira infância. Já o vitiligo tem origem autoimune“, pondera.

Ou seja, no vitiligo, o próprio sistema imunológico da pessoa ataca as células responsáveis pela produção de melanina. Como essa agressão varia de intensidade dependendo da pessoa e de situações do dia a dia – inclusive por questões emocionais – o desenvolvimento das manchas acontece ao longo da vida.

Continua após a publicidade

Sim, elas podem surgir na infância, adolescência ou fase adulta. Além disso, a despigmentação às vezes aumentam e acometem outras áreas do corpo com o passar do tempo – algo que não acontece no piebaldismo.

Mas há uma semelhança importante de reforçar: tanto o piebaldismo como o vitiligo não são contagiosos.

Leia também: Testes genéticos no Brasil: benefícios claros, mas acesso restrito

Como é feito o diagnóstico e o tratamento de piebaldismo?

O diagnóstico é feito pelo dermatologista através de um exame clínico completo e avaliação do histórico familiar.

Continua após a publicidade

“A detecção é realizada através da análise das lesões brancas características, que podem ser verificadas também com a lâmpada de Wood [luz negra] em consultório”, diz Bretas.

O tratamento pode ser feito com o chamado transplante autólogo de melanócitos. “Ele consiste em retirar células da pele de uma região normalmente pigmentada da própria pessoa e implantar na área da mancha. Pode ser necessário mais de uma sessão para atingir um resultado estético satisfatório”, pontua o dermatologista.

No entanto, tanto nessa condição como no vitiligo, o tratamento depende da vontade da pessoa. Se ela está confortável, não necessariamente precisa se submeter aos procedimentos. Uma conversa franca com o especialista é primordial, até porque, às vezes, um pouco de maquiagem e tintura dos cabelos já satisfazem a pessoa.

Agora, os pacientes devem tomar cuidados com relação à proteção da pele, em especial nas regiões sem melanina, que é uma espécie de protetora natural contra o sol. Deve-se resguardar bem a pele afetada, com filtro ou uso de roupas e chapéu.

Continua após a publicidade

Importância da conscientização

Condições que afetam a pele podem trazer prejuízos para a autoestima e saúde mental dos indivíduos devido à desinformação e ao preconceito. A ideia equivocada de que piebaldismo ou vitiligo possam ser transmitidos de uma pessoa a outra por contato fomenta a discriminação.

Por ser uma doença que acompanha as pessoas desde o nascimento, os médicos reforçam que as características do piebaldismo sejam abordadas desde cedo, inclusive no ambiente escolar.

“A população precisa ser constantemente educada sobre as diferenças naturais que existem entre cada indivíduo. Nenhuma pessoa é igual: há variações quanto a cor, altura, peso, cabelos… E essas diferenças não fazem nenhuma pessoa melhor ou pior do que a outra”, conclui Patricia.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.