Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês
Pet Saudável Por Blog Mario Marcondes, veterinário e diretor do Hospital Veterinário Sena Madureira (SP), traz orientações preciosas para quem ama seus bichos de estimação

Alguns animais podem pegar coronavírus. Mas o que isso significa?

Novos estudos mostram quais animais podem contrair o vírus, ainda que muitos não fiquem doentes nem o transmitam aos humanos

Por Dr. Mario Marcondes - Atualizado em 9 jun 2020, 18h26 - Publicado em 9 jun 2020, 11h51

Muitas pesquisas sobre o novo coronavírus têm sido desenvolvidas e publicadas nos periódicos científicos internacionais nos últimos meses. E não apenas sobre o impacto da infecção na saúde humana. Estudos sobre a incidência e a repercussão nos animais também estão em curso. Então, o que se sabe até o momento?

Como já relatei em uma coluna do Pet Saudável, gatos e outros felinos parecem ser mais suscetíveis à infecção pelo vírus porque possuem o receptor ECA2 (responsável pela entrada do patógeno na célula) mais parecido com o do homem. O mesmo ocorre com os ferrets (furões).

Mais recentemente, um grupo de pesquisadores constatou a presença do coronavírus em visons em fazendas de criação desses animais na Holanda e em 24 felinos no mesmo local.

Um experimento laboratorial demonstrou, mais uma vez, que o vírus Sars-CoV-2 replica com maior facilidade em gatos. E um estudo publicado na respeitada revista médica The New England Journal of Medicine observou que gatos inoculados com o agente infeccioso em laboratório contraíram o vírus, passando para os demais felinos com os quais tiveram contato. A pesquisa comprova, assim, a maior suscetibilidade dos felinos à infecção.

Continua após a publicidade

É importante esclarecer que não existe, até o momento, relato de que um animal de estimação, felino ou não, tenha transmitido o coronavírus para humanos.

No caso das fazendas holandesas de visons, a situação é peculiar porque são lugares com alta concentração de animais e que não mimetizam o ambiente de contato em casa entre um bicho de estimação e seu tutor.

Nessas fazendas ainda se encontram em investigação quatro funcionários diagnosticados com Sars-CoV-2. Ao que tudo indica, parece que essas pessoas podem ser os primeiros casos de infectados devido ao contato com animais, visto que a análise genética do vírus mostra semelhança com o dos visons e não com o tipo que circula entre a população da Holanda.

Mas ainda não há veredicto e pretendo atualizar vocês em breve por aqui.

Continua após a publicidade

Vale ponderar que os relatos de infecção natural por coronavírus nos pets são raros por ora e a presença do vírus não significa que ele ficará doente. Até o momento, foram notificados nove gatos nessa situação em todo o mundo (Bélgica, China, Estados Unidos, França, Espanha, Alemanha, Holanda e Rússia).

Continua-se a observar que cães são menos sujeitos ao vírus. Tivemos até agora dois relatos de cachorros com a infecção natural, ambos na China. Mais recentemente, o governo americano anunciou a confirmação de um pastor alemão com o coronavírus, como VEJA contou.

Somam-se a eles os episódios registrados com cinco tigres e três leões no zoológico de Nova York, nos Estados Unidos.

Precisamos esclarecer que há uma grande diferença entre pegar a infecção no ambiente real e dentro de um experimento de laboratório. Pelos estudos em que se inoculou o coronavírus em animais, já se sabe que, nesses modelos experimentais, podem contrair o patógeno, além de felinos e ferrets, hamsters, coelhos, macacos-rhesus, macacos-cinomolgos, macacos-verdes-africanos, saguis e morcegos-das-frutas. Já os porcos e camundongos não foram infectados.

Continua após a publicidade

De novo: no mundo inteiro não se tem notícia da transmissão de animais de companhia para humanos.

Só com o passar do tempo e mais estudos teremos informações precisas sobre a evolução da doença nos animais e conseguiremos entender melhor o comportamento do vírus entre as espécies. Dessa forma, persiste a recomendação de lavar as mãos antes e depois do contato com o pet e respeitar as regras de isolamento social, que também valem para eles.

No caso dos cães habituados a fazer as necessidades nas ruas, procure sair apenas para essa finalidade. Em relação aos gatos, evite saídas por aí e busque colocar telas nos ambientes para impedir escapadas.

Se alguma pessoa da família testou positivo para o coronavírus, só deve manipular o animal com proteção de luvas e máscara, ou utilizar álcool em gel antes e depois de mexer com o bicho. O ideal é pedir ajuda a algum amigo ou familiar para cuidar do pet até a remissão da infecção para a maior proteção dele.

Continua após a publicidade

Enfatizo aqui que os pouquíssimos episódios de pets que tiveram coronavírus pegaram o patógeno de seres humanos — e não o contrário!

Portanto, não há razão alguma para deixar de ter animais como companhia, muito menos abandoná-los. A amizade continua importante para ambos os lados, ainda mais em tempos duros de pandemia.

Publicidade