Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço coordenado pelo jornalista Diogo Sponchiato, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Por que precisamos falar mais sobre a infertilidade

No mês de conscientização sobre a infertilidade, médica explica algumas das causas do problema e o que pode ser feito para viabilizar o sonho de engravidar

Por Paula Fettback, médica especialista em fertilidade* Atualizado em 7 jun 2021, 19h01 - Publicado em 7 jun 2021, 10h10

Quando um casal quer engravidar e recebe a notícia de que tem problemas de fertilidade, trata-se de algo muito maior do que uma questão de saúde. O diagnóstico afeta os sonhos de até 15% dos casais e deve ser levado a sério. Por quê?

Em primeiro lugar, há o cuidado psicológico: a dificuldade para engravidar é um dos fatores que levam a transtornos psiquiátricos como a depressão e a ansiedade. Estudos indicam que há uma prevalência maior desses transtornos em casais inférteis do que naqueles em que não há problemas para engravidar.

Em seguida, deve-se entender que as opções terapêuticas para apoiar a jornada rumo à fertilidade evoluíram na última década e, hoje, apresentam maiores taxas de sucesso, com menos efeitos colaterais.

Se, depois de um ano de tentativas naturais, um casal não conseguir engravidar, esse é o sinal para buscar ajuda especializada. E a escolha do tratamento dependerá de uma profunda investigação diagnóstica no casal.

É isso mesmo. É um mito pensar que a mulher é a fonte de fertilidade (ou o contrário). Isso é mais cultural e tem a ver com a imagem que se formou há séculos de que elas são responsáveis pela família, enquanto o homem é o provedor.

Continua após a publicidade
  • Saindo da história e voltando para a medicina, as principais causas de infertilidade são tanto femininas quanto masculinas: em 30% dos casos estão relacionadas às mulheres e, na mesma proporção, aos homens.

    A endometriose é uma das vilãs para elas. Essa doença inflamatória pélvica ginecológica afeta muitas mulheres e pode levar à infertilidade especialmente porque o diagnóstico costuma ser tardio — entre os principais sintomas, e que podem confundir as pacientes, estão as cólicas menstruais. Problemas nas tubas, ovários policísticos e outros fatores também podem estar na origem da dificuldade em engravidar.

    No homem, a principal causa de infertilidade ainda é a varicocele, a presença de varizes nos testículos, mas existem também aspectos comportamentais envolvidos, como obesidade, tabagismo, estresse, entre outros.

    O tratamento vai depender justamente do diagnóstico e pode ser de baixa e média complexidade — envolvendo relações sexuais programadas e inseminação intrauterina — ou de alta complexidade, como no caso da fertilização in vitro. A técnica evoluiu tanto no manejo da ovulação, rendendo menos efeitos colaterais, como em termos de custo, tornando-se mais viável e acessível.

    Como você pode perceber, nem todos os fatores que predispõem à infertilidade são passíveis de prevenção. Mas sabemos que um estilo de vida equilibrado pode ajudar. Então procure dormir e acordar cedo, alimentar-se de maneira variada e balanceada, se exercitar e não ter vícios. Afinal, é de gerar uma vida que estamos falando. E cuidar do corpo é essencial para uma boa fecundação e gestação.

    * Paula Fettback é doutora em Obstetrícia e Ginecologia pela Faculdade de Medicina da USP e especialista em fertilidade

    Continua após a publicidade
    Publicidade