Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Portadores de esclerose múltipla têm dificuldade de manter o emprego

Pesquisa mostra que, durante o tratamento, o número de desempregados com essa doença autoimune dobra

Por Maria Tereza Santos 2 out 2018, 12h28

Um estudo apresentado no Congresso da Academia Americana de Neurologia neste ano, nos Estados Unidos, revelou que a esclerose múltipla – doença autoimune que atinge o sistema nervoso – impacta na empregabilidade dos seus pacientes no Brasil. Entre os sintomas da condição estão visão embaçada, tontura, fadiga e rigidez muscular.

A pesquisa – que ainda está em andamento – é assinada pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) em parceria com a associação Amigos Múltiplos pela Esclerose (AME). Segundo Gustavo San Martin, superintendente da AME, o levantamento indica que a taxa de desemprego quase duplica durante o curso da doença.

Os dados referentes ao período de abril a novembro de 2017 mostram que apenas 58,9% das pessoas altamente qualificadas convivendo com a esclerose estavam empregadas no momento da entrevista. Em contrapartida, no ato do diagnóstico, o índice era de 79%.

De acordo com o responsável pelo estudo, o neurologista Denis Bichuetti, especializado em esclerose múltipla, o resultado traz à tona a importância de identificar o problema cedo. Ele explica que a demora pode ser responsável por afetar negativamente a vida profissional do paciente, já que está associada ao atraso do início do tratamento. E quanto antes a intervenção for iniciada, melhor será a convivência com os sintomas.

“Em vários lugares do mundo já se observou que o diagnóstico precoce e o tratamento adequado podem favorecer a retenção de emprego e reduzir os custos relacionados à deficiência, como benefícios sociais e uso de fundos de pensão. E por que não buscar por isso no Brasil?”, questionou o médico em comunicado à imprensa. Ele afirma que planeja uma complementação do trabalho.

Estima-se que a esclerose múltipla afete 3 milhões de pessoas em todo o mundo, sendo 40 mil casos em nosso país. A maior parte dos pacientes é de mulheres e jovens entre 20 e 40 anos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)