Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Nutrição para os ossos

Estudo paulista analisa o cardápio do brasileiro e sua relação com a fragilidade do esqueleto

Por Chloé Pinheiro (colaboradora) - Atualizado em 5 abr 2017, 19h15 - Publicado em 11 ago 2015, 09h20

A osteoporose, doença que atinge até 15% dos brasileiros e deixa nosso arcabouço poroso, poderia ser evitada com o consumo de alguns nutrientes, em especial cálcio, magnésio e as vitaminas D e K. Acontece que, embora presentes em alimentos comuns como leite, hortaliças e outros vegetais, essas substâncias parecem aparecer em concentrações diminutas nos pratos brasileiros.

Pelo menos foi isso o que descobriu um time de pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo. Ao analisar a dieta e a composição óssea de mais de 2 300 pessoas, eles notaram que, em média, as pessoas só ingerem um terço da quantidade diária recomendada desses compostos.

Não à toa, 15% dos entrevistados já haviam sofrido fraturas. E isso sem nem desconfiar que o problema estivesse ligado à fraqueza do esqueleto e à própria alimentação. A equipe foi a primeira a estudar o cardápio da população com foco na saúde óssea. Muito graças a esse enorme esforço, venceu, em 2007, a categoria Saúde e Prevenção do Prêmio SAÚDE — uma das mais respeitadas premiações do setor.

Se você é profissional da área e também deseja que sua pesquisa clínica ou campanha ganhe destaque nacional, inscreva seu trabalho no link: http://premiosaude.com.br/inscricao/.

Continua após a publicidade
Publicidade