Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Errou na planta? Pobre fígado!

Esqueça a balela de que remédios naturais não têm efeitos adversos. Se usados de maneira equivocada e sem a orientação de um profissional, eles podem fazer um mal danado

Por André Biernath - Atualizado em 27 out 2016, 22h05 - Publicado em 25 nov 2015, 14h02

Um levantamento do Centro Médico Einstein, nos Estados Unidos, acusa que os casos de problemas no fígado provocados pelo uso de fitoterápicos cresceram 13% entre 2004 e 2013. Isso porque o órgão, responsável pelo processamento das medicações (sintéticas ou não), chega a ser comprometido por algumas moléculas presentes em plantas medicinais. “O uso indiscriminado pode provocar uma hepatite aguda ou evoluir para um processo inflamatório crônico”, alerta o hepatologista Aecio Meirelles, da Universidade Federal de Juiz de Fora, em Minas Gerais. “Daí a importância de informar o médico sobre o uso de chás e suplementos para que ele faça uma avaliação de eventuais riscos ao órgão”, completa. Os principais sintomas de que há algo errado com o fígado são enjoo, vômitos e olhos amarelados. Aliás, uma revisão de 23 estudos conduzida pela Universidade Federal da Bahia acaba de apontar os fitoterápicos mais associados a chabus hepáticos. Confira os principais logo abaixo:

Black Cohosh
Nome científico: Cimicifuga racemosa
Origem: Hemisfério Norte
Parte utilizada: Raiz
Apresentação: Infusão ou extrato
Uso: Alívio dos sintomas da menopausa

Cavacava
Nome científico: Piper methysticum
Origem: Ilhas do Pacífico
Parte utilizada: Raiz
Apresentação: Extrato ou cápsula
Uso: Tratamento de insônia e ansiedade

Fo Ti
Nome científico: Polygonum multiflorum
Origem: China
Parte utilizada: Raiz
Apresentação: Extrato ou tintura
Uso: Tônico estimulante e rejuvenescedor

Chá-verde
Nome científico: Camellia sinensis
Origem: China e Índia
Parte utilizada: Folhas
Apresentação: Infusão ou cápsula
Uso: Diurético, digestivo e auxiliar na perda de peso

Publicidade