Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Candidíase: saiba como se prevenir e tratar

A candidíase é muito comum entre as mulheres. Você sabe como tratar esta infecção?

Por Redação M de Mulher
Atualizado em 21 mar 2023, 15h43 - Publicado em 23 Maio 2014, 22h00

A candidíase é uma infecção provocada pelo fungo Cândida Albicans. “Pelo menos uma vez na vida 75% a 80% das mulheres terá a candidíase”, afirma Poliani Prizmic, ginecologista e obstetra do hospital e maternidade São Luiz.

Ela não é considerada uma doença sexualmente transmissível (DST), já que no nosso corpo existe o fungo adormecido. Nas mulheres ele fica dentro da flora vaginal e intestinal e, nos homens, em forma de esporos no pênis. Dentre as formas de proliferação, está o ato sexual, em que o homem ou a mulher, podem vir a contaminar o parceiro. Por isso, as mulheres com vida sexual ativa são mais propensas à doença.

Leia mais: Corrimento: saiba identificar quando ele indica alguma doença

“Mesmo que a relação seja praticada com camisinha, o pênis faz um microtrauma na parede da vagina, assim a mulher fica mais predisposta à doença”, explica a ginecologista. A doença conta também com outras propensões. “A candidíase pode estar associada à baixa imunidade, uso de antibióticos, anticoncepcionais, corticoides, e até mesmo à alimentação”, explica Poliniani.

Além desses fatores, há o famoso biquíni molhado. “No verão a candidíase é mais comum, pois a temperatura está mais alta e utiliza-se mais biquíni/maiô do tipo Lycra”, diz Eduardo Zlotnik, ginecologista e obstetra do hospital Albert Einstein. No entanto, na maioria das vezes, a crise desse fenômeno está ligada aos casos de baixa imunidade e de uma dieta rica em farinha branca e açúcar, que acabam por modificar o pH da vagina, o deixando mais ácido e ideal para a proliferação da Cândida Albicans.

Sintomas e tratamentos

A candidíase desperta nas mulheres coceira na vagina e no canal vaginal, corrimento, dores para urinar e também nas relações sexuais. Para o tratamento, é feito o uso de remédio antifúngico oral e creme vaginal, por mais ou menos uma semana. É preciso também “evitar tecidos que aumentem a temperatura local e roupas apertadas, e até mesmo dormir sem calcinha pode ajudar a melhor ventilação local”, afirma o ginecologista e obstetra Eduardo Zlotnik, do hospital Albert Einstein.

Continua após a publicidade

Segundo Poliani, a combinação de uma alimentação correta e nutritiva é muito importante para que a cura seja alcançada e se evite a reincidência da doença. Uma vez que o sistema imunológico forte não abre espaço para a candidíase.

Alternativa

Em entrevista à revista BOA FORMA,o ginecologista José Bento, dos hospitais Albert Einstein e São Luiz, afirmou que antes de as pessoas começarem o tratamento por remédios, seria interessante investir primeiro em mudanças nos hábitos alimentares.

O ginecologista afirma que restringir os doces e carboidratos da dieta do dia a dia pode atuar diretamente na candidíase. Outra mudança alimentar proposta pelo médico é a introdução na cardápio de alimentos com ação antifúngica. São eles: o alho, o alecrim, a cebola e o orégano.

Conheça alguns vilões da candidíase:

Candidíase: saiba como se prevenir e tratar

Continua após a publicidade

1. Álcool: sua composição é feita pela fermentação de açúcares

2. Tomates: são considerados ácidos e acabam por alterar o PH vaginal

3. Pães: são carboidratos, que também fazem parte da família dos açúcares, aumentando a chance de proliferação do fungo

4. Uva-passa: quase sempre contam com fungos em sua composição

5. Leite e queijos: fermentados pelos fungos podem fazer com que o corpo fique propenso a proliferação da Cândida Albicans

Continua após a publicidade

6. Açúcar: ele modifica o PH da vagina proliferando o aparecimento de fungos

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.