Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

5 táticas para se livrar do ronco

Conheça o distúrbio que está por trás do ronco e confira 5 maneiras que ajudam a silenciar a barulheira noturna

Por Redação M de Mulher
Atualizado em 25 fev 2019, 10h38 - Publicado em 16 nov 2011, 22h00

O ronco muitas vezes é o sintoma audível de um distúrbio cada vez mais estudado: a apneia do sono. Além da barulheira, ela é marcada por interrupções temporárias na respiração durante a madrugada. Mas eis uma dúvida: afinal, todo mundo que ronca tem apneia? Não, mas com a idade, somada ao sedentarismo e ao ganho de peso, há uma alta probabilidade de a orquestra ser acompanhada pelos engasgos provocados pelo corte no fluxo de oxigênio.

“No estado de São Paulo, calcula-se que 33% das pessoas sofrem de apneia”, conta o pneumologista Geraldo Lorenzi Filho, do Instituto do Coração de São Paulo, o Incor. E o problema atinge tanto homens, quanto mulheres. Hora de conhecer então cinco táticas para se livrar dessa barulheira e impedir que ela gere problemas mais graves, como tumor, lapso de memória, hipertensão, Alzheimer, arritmia e infarto.

1. Atividade física

Corrida, caminhada, natação… Malhar tem efeito terapêutico contra a apneia. Primeiro porque elimina o excedente de peso, muito associado ao problema. E segundo porque aprimora o padrão do sono. “Fizemos um estudo que demonstrou melhoras na sonolência diurna, no humor e na qualidade de vida entre apneicos sedentários que se exercitaram por dois meses”, conta a biomédica Carolina Ackel D’Elia, da Universidade Federal de São Paulo.

2. Postura e higiene do sono

Quem ronca já ouviu o apelo vindo do parceiro ou parceira para virar de lado. E é melhor ouvir: essa tática pode mesmo amenizar o barulho. “Quando estamos deitados de barriga para cima, a língua relaxa e atrapalha a respiração”, explica Dalva Poyares. “Também vale evitar o álcool em excesso antes de dormir porque ele estimula o estreitamento da garganta”, diz.

3. Aparelho intraoral

À noite, a língua relaxa e pode deslizar para trás, agindo como uma espécie de barreira para o ar que inspiramos e gerando aqueles ruídos. Aparelhos de resina acrílica, feitos sob medida e colocados dentro da boca na hora de dormir, ajudam a dar um psiu no ronco e na apneia leve ou moderada. “Esses dispositivos conduzem a mandíbula para a frente e impedem que a língua se desloque, deixando livre a passagem do ar”, explica Ana Célia Faria, cirurgiã bucomaxilofacial da Universidade Estadual de Campinas.

Continua após a publicidade

4. O CPAP

A sigla do equipamento vem do inglês e significa pressão positiva contínua nas vias aéreas. O aparelho assegura um fluxo ininterrupto de oxigênio durante o sono do apneico, que dorme conectado a uma máscara. “O CPAP é indicado aos casos que não são resolvidos com mudanças de hábito”, diz o otorrinolaringologista Mario Munhoz, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo. O aparelho é considerado o padrão-ouro no tratamento da apneia.

5. Cirurgia

Em algumas situações, a apneia do sono deve ser resolvida via bisturi. Isso acontece quando há um defeito anatômico, como amígdalas protuberantes, carne esponjosa, queixo retraído demais ou estreitamento anormal na garganta. Com o auxílio de alguns exames, pode-se averiguar que situações são solucionadas de vez na mesa de cirurgia. “Há inclusive procedimentos mais complexos, que visam aumentar o espaço do céu da boca, avançar a língua ou reposicionar o maxilar”, revela Munhoz.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.