Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

OMS recomenda aumentar impostos sobre refrigerantes

Em declaração publicada hoje, entidade afirma que essa medida pode reduzir índices de obesidade, diabete tipo 2 e cáries

Por Redação Saúde é Vital Atualizado em 18 jan 2019, 16h27 - Publicado em 11 out 2016, 11h32

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), políticas fiscais que levem a um aumento de aproximadamente 20% no preço de varejo de bebidas açucaradas, como os refrigerantes, podem ser uma solução para diminuir consideravelmente o consumo desses produtos. Com isso, cairia também a ingestão de açúcar e calorias extras, melhorando o estado nutricional das pessoas. O resultado da intervenção? “Uma queda nos índices de sobrepeso, obesidade, diabete e cáries”, afirmou a entidade.

Entre os açúcares que estão na mira da OMS estão a glucose, a frutose e a sacarose, adicionadas às bebidas pelos fabricantes e também acrescentadas pelo consumidor em receitas, além do açúcar presente no mel e em sucos de frutas.

“O consumo desses açúcares, incluindo produtos como bebidas açucaradas, é o principal fator para o aumento global na quantidade de pessoas sofrendo com obesidade e diabete”, disse Douglas Bettcher, diretor do Departamento de Prevenção de Doenças Não Transmissíveis da OMS. “Se o governo taxar produtos como bebidas açucaradas, poderá salvar vidas”, completou. De acordo com ele, isso também reduziria os custos relacionados a essas doenças, o que resultaria em uma verba a mais para investir em serviços de saúde.

Para ter ideia, a entidade afirma que em 2014 um a cada três adultos no mundo inteiro com mais de 18 anos estava com sobrepeso. E a prevalência de obesidade na população mundial mais do que dobrou entre 1980 e 2014, com 11% dos homens e 15% das mulheres (mais de meio bilhão de adultos) classificados como obesos. Para completar o cenário, já bastante assustador, 42 milhões de crianças com menos de cinco anos estavam acima do peso ou obesas em 2015, um aumento de cerca de 11 milhões nos últimos 15 anos.

Limite de açúcar

De acordo com Francesco Branca, diretor do Departamento de Nutrição para Saúde e Desenvolvimento da OMS, se for para consumir açúcar, o recomendado é que a ingestão fique abaixo de 10% em relação ao total de energia necessária diariamente. Mas o ideal mesmo, para garantir benefícios à saúde, seria manter esse consumo abaixo dos 5%. Isso seria o equivalente a menos de uma porção (250 mililitros) de refrigerante por dia.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês