Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Azeite: o aliado das mamas contra o câncer

O óleo de oliva não pode faltar no prato das brasileiras. Afinal, ele abriga substâncias que protegem contra um dos tumores femininos mais agressivos

Por Redação M de Mulher Atualizado em 24 mar 2017, 16h48 - Publicado em 17 set 2013, 22h00

Foto: Alex Silva

O fio de azeite extravirgem, que vai bem em saladas e pratos quentes, regando o corpo de benefícios como proteger o coração, dá provas de ser capaz de outra façanha: prevenir o câncer de mama. Na Universidade de Granada, na Espanha, diante dos olhos dos cientistas, seus componentes inibiram a expressão de um gene, o HER2, que dispara a forma mais insidiosa da doença.

Como acontece?

“As lignanas e os secoiridoides, moléculas que fazem parte do grupo de polifenóis presentes no azeite, degradaram a proteína responsável por acionar os comandos desse gene”, descreve aos leitores de SAÚDE o químico Antonio Segura-Carretero, um dos responsáveis pela investigação, conduzida pelo pessoal de Granada em parceria com outros centros de pesquisa espanhóis.
O médico Fernando Moreno, da Universidade de São Paulo, simplifica o que seria esse mecanismo: “Em níveis normais, a proteína associada ao HER2 regula a multiplicação das células mamárias”, diz ele, que pesquisa a relação entre a dieta e o câncer. “Em excesso, porém, ela acelera a proliferação celular, contribuindo para o surgimento de tumores.” É aí que entram os polifenóis. Implacáveis, eles aniquilam o excedente da tal proteína, restabelecendo o equilíbrio.

Os benefícios

Em tese, essa proeza tornaria o azeite aliado inclusive das mulheres que enfrentam um câncer desses. “Desacelerar a atuação do HER2 significa dificultar o crescimento de um tumor já existente”, diz a nutricionista Andressa Neves, do Hospital A.C. Camargo, em São Paulo.
O que todos os pesquisadores do mundo têm absoluta certeza é de que uma porção moderada de óleo de oliva diariamente faz bem no sentido de afastar a doença ou evitar que avance rapidamente. Até porque os polifenóis têm outra propriedade importante: “São tremendos antioxidantes, isto é, barram os radicais livres”, lembra o farmacêutico-bioquímico Jorge Mancini, da Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos, em São Paulo. Esses radicais, ao longo do tempo, danificam o DNA – e a ciência sabe que esses danos, somados, representam o início do caos, que é o câncer.
Outra certeza é de que, do ponto de vista da prevenção de tumores de mama, de nada adianta se empanturrar de qualquer azeite. “Só vale o extravirgem, aquele puro, extraído a frio”, ensina a nutricionista Silvia Cozzolino, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo. “Os outros azeites passam por aquecimento e processos industriais que inativam parte dos polifenóis”, justifica. Também não adianta comer um peixe mergulhado no ingrediente hoje e nada de óleo de oliva no dia seguinte: o consumo de extravirgem para as mulheres que se cuidam deve ser contínuo, ou seja, um fio deliciosamente derramado sobre o prato de todo dia.
Publicidade