Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Uma rede de internet 5G voltada para o SUS

Rede de internet privada de quinta geração, o 5G, ajuda a superar barreiras e garantir serviços de ponta a quem depende do Sistema Único de Saúde

Por Da Redação
15 dez 2022, 13h02

Uma força-tarefa capitaneada pelo Instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Inrad/USP) reuniu um ecossistema formado por academia, companhias de tecnologia e telecomunicação, agências de fomento à pesquisa e instituições financeiras em torno do projeto OpenCare 5G.

A iniciativa foi concebida com base no conceito de Open RAN (do inglês Open Radio Access Network, ou Rede de Acesso de Rádio Aberto) e com o objetivo de criar e testar uma rede de internet privada de quinta geração, o 5G, para superar barreiras e garantir serviços de ponta a quem depende do Sistema Único de Saúde (SUS). O projeto é o vencedor da categoria Medicina Social do 5º Prêmio Dasa de Inovação Médica com VEJA SAÚDE.

“A conexão mais veloz vai chegar através das grandes redes de telefonia, mas uma parte da população brasileira pode ficar excluída”, justifica Giovanni Guido Cerri, presidente do Inrad/USP.

Compartilhe essa matéria via:

“O 5G não pode ser um instrumento para aumentar a desigualdade. Por isso desenvolvemos uma rede independente a fim de democratizar a medicina, ponto fundamental quando se fala em saúde digital”, continua o médico.

Continua após a publicidade

O intuito é vencer obstáculos como falta de estrutura e equipamentos, assim como a limitação de acesso a médicos especializados, sobretudo em regiões mais remotas. Ou seja, o OpenCare 5G traz a promessa de ampliar o acesso a atendimento e procedimentos diagnósticos ou terapêuticos via telemedicina no sistema público.

A partir do teste piloto executado no Hospital das Clínicas de São Paulo, que avaliou a aplicação em exames de ultrassom, o programa continuará em diferentes etapas e módulos com a ambição de reduzir gargalos pelo Brasil.

“Chegaremos aos atendimentos remotos na Amazônia, uma escolha que tem um grande simbolismo por ser uma região ainda muito excluída em termos de assistência”, prevê Cerri.

Trabalho vencedor: OpenCare 5G em medicina e saúde
Autores: Giovanni Guido Cerri, Marco Antonio Bego, Marcia Ogawa Matsubaya e Moacyr Martucci Jr.
Instituições: InovaHC e Instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Inrad/USP).

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.