Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O avanço da terapia assistida por psicodélicos

Substâncias condenadas e perseguidas durante anos passam a ser reconhecidas como estratégia para superar doenças como a depressão

Por Diogo Sponchiato
18 ago 2023, 14h25

A Austrália se tornou o primeiro país a regularizar o uso medicinal dos psicodélicos, drogas que, no passado, fizeram fama pelas viagens alucinógenas — e fortemente combatidas em função disso. Trata-se de uma tendência calcada em ciência.

Dezenas de pesquisas sobre os efeitos da classe, que reúne moléculas como cetamina, psilocibina (dos “cogumelos mágicos”) e derivadas da ayahuasca, foram apresentadas em dois grandes congressos internacionais, o da Associação Americana de Psiquiatria e o da Associação Multidisciplinar para Estudos Psicodélicos.

O emprego delas é cada vez mais bem recebido em razão de muitas pessoas com depressão, trauma e outros transtornos não responderem aos remédios tradicionais. “Os psicodélicos agem mudando a arquitetura cerebral através da criação de novas conexões entre os neurônios e da restauração de neurotransmissores”, resume Bruno Rasmussen, diretor médico da clínica Beneva, em São Paulo.

Diferentemente do tratamento usual, a administração das substâncias é feita dentro de sessões de psicoterapia com acompanhamento especializado.

Continua após a publicidade

“O retorno dos pacientes tem sido excelente. A maioria refere melhora desde a primeira sessão, e isso se mantém por longos períodos”, conta Rasmussen, fazendo referência à experiência com infusões de cetamina no centro paulistano.

+ LEIA TAMBÉM: O que esperar da terapia psicodélica

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.