Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Inteligência social, um conceito vital para a saúde (e que virou livro)

O livro "Inteligência Social" revela como a interação com as pessoas é fundamental para a vida e a saúde. Nós entrevistamos seu autor

Por Theo Ruprecht - Atualizado em 27 nov 2019, 11h50 - Publicado em 25 nov 2019, 10h20

Daniel Goleman é um psicólogo americano que ficou muito conhecido após lançar o livro Inteligência Emocional (clique aqui para comprar), que mostra como a habilidade de lidar com os próprios sentimentos é tão importante para se dar bem na vida quanto o QI. Pois outra obra desse autor best-seller acaba de ser traduzida para o português: Inteligência Social.

No livro, Goleman mescla histórias reais impressionantes com estudos de ponta para mostrar como o organismo inteiro é moldado para interagir com outras pessoas. A SAÚDE conversou com o autor sobre seu novo livro e o que as pessoas podem esperar dele – confira abaixo. Mas já lemos por aqui e adiantamos: vale a pena!

Entrevista com Daniel Goleman, autor de Inteligência Social

SAÚDE: Como definir inteligência social?
Daniel Goleman: Resumindo, é a capacidade de se conectar de maneira positiva com alguém. A chave aqui é a empatia, ou seja, ter consciência do que as pessoas sentem ou pensam para, então, usar isso como base para relações construtivas no trabalho ou onde estiver.

Dá para treinar essa habilidade?
Certamente sim. Inclusive, em algumas escolas há um movimento de aprendizado social emocional que visa preparar as crianças nesse sentido. Precisamos estudar quais as melhores formas de promover a inteligência social, mas já há ferramentas, que eu abordo no meu livro.

Há uma ligação entre inteligência social e saúde?
Com certeza. Ela ajuda a criar boas relações e há evidências mostrando que a solidão e a dificuldade de estabelecer laços afetivos prediz uma saúde ruim e uma maior mortalidade. Ainda não vi estudos explicando a causa disso, mas a associação está clara.

A inteligência social e a emocional são tão importantes quanto o QI na vida de alguém?
O QI é necessário, porém não suficiente. Eu acabei de ver uma pesquisa em que engenheiros deveriam classificar seus colegas de trabalho como mais ou menos efetivos. Conclusão: o QI não teve influência, mas a inteligência social, sim. Para ser um bom membro de equipe, líder, esposo ou negociador, você depende de habilidades sociais e emocionais.

O que você espera que os leitores levem de recado do livro?
Minha esperança é que valorizem as relações que possuem e fortaleçam as que precisam desenvolver.

Inteligência Social
Autor: Daniel Goleman
Editora: Objetiva
Páginas: 472

Continua após a publicidade
Publicidade