Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Vírus da febre amarela é detectado em outro tipo de mosquito

O Aedes albopictus, também chamado de Tigre Asiático, pode ser infectado pelo vírus da febre amarela. Mas isso significa que ele transmite a doença?

Por Helena Martins (Agência Brasil) Atualizado em 26 mar 2018, 14h10 - Publicado em 16 fev 2018, 14h00

O mosquito Aedes albopictus, conhecido como Tigre Asiático, é suscetível ao vírus da febre amarela, segundo estudo do Instituto Evandro Chagas, que foi apresentado durante uma coletiva de imprensa no Ministério da Saúde. Esse inseto é parecido com o Aedes aegypti e, embora prefira regiões silvestres, também é encontrado em regiões urbanas.

No trabalho, pesquisadores capturam esses mosquitos, no ano passado, em áreas rurais próximas aos municípios de Itueta e Alvarenga, em Minas Gerais. A partir daí, perceberam que eles podiam ser invadidos pelo agente causador da doença. Mas isso ainda não comprova que o Tigre Asiático a transmite. Calma que você já vai entender.

O que o estudo agrega ao surto de febre amarela

Diretor do Evandro Chagas, Pedro Vasconcelos explicou que o mosquito poderia servir como ligação entre os dois ciclos possíveis da infecção no Brasil: o urbano, que não tem sido mais registrado no país desde a década de 1940 e é atribuído exclusivamente ao Aedes aegypti, e o silvestre, que é o responsável pelas transmissões atuais nas regiões próximas a matas. Essa teoria ajudaria a explicar o aumento de casos em áreas mais próximas de grandes cidades, que não haviam sido afetadas antes com essa magnitude.

Mas atenção: essa possibilidade não está confirmada. A presença do vírus não significa que o Aedes albopictus tenha adquirido o papel de vetor da febre amarela. Ou seja, não se sabe se, apesar de carregá-lo no corpo, ele é capaz de transmiti-lo a seres humanos. Aliás, outros mosquitos são encontrados em florestas com o vírus, mas somente o Haemagogus, o Sabethes e o Aedes aegypti são comprovadamente capazes de disseminá-lo para primatas no Brasil.

Continua após a publicidade

Agora, cabe aos cientistas irem atrás dessa questão. Eles também devem estudar, nos próximos dois meses, se o Tigre Asiático continua apresentando presença do vírus nas cidades mineiras inicialmente investigadas.

O ministro Ricardo Barros avaliou a descoberta: “Ela mostra que temos sido diligentes na busca de fatos novos e de entender por que houve aumento de casos de febre amarela no ano passado”. Para ampliar o escopo do estudo e a capacidade de avaliação, o Ministério da Saúde aprovou a criação de uma força-tarefa de captura de mosquitos em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia.

Cabe destacar ainda a importância de a população se manter vigilante contra o já conhecido Aedes aegypti, que até as primeiras décadas do século 1920 foi responsável por transmitir a febre amarela em grandes cidades. No surto atual, não há casos confirmados de febre amarela urbana.

Esta matéria foi adaptada da Agência Brasil.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês