Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Uso exagerado de antibióticos está ligado a câncer de intestino

Cientistas alertam que, se usada de modo incorreto, a medicação pode predispor ao surgimento desse tipo de tumor

Por Ana Luísa Moraes Atualizado em 5 jul 2018, 15h28 - Publicado em 12 abr 2017, 16h54

Alimentação pobre em fibras e rica em gordura, sedentarismo, obesidade, tabagismo, doenças inflamatórias… Todos esses fatores já foram associados a um maior risco de câncer colorretal. Agora, uma pesquisa da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, acrescenta outro inimigo à lista: os antibióticos.

Os especialistas analisaram aproximadamente 16 500 mulheres com mais de 60 anos. Todas já tinham feito colonoscopia pelo menos uma vez entre 2004 e 2010. Desse total, 1 195 apresentaram adenomas. Essas pequenas lesões, também conhecidas como pólipos, são tumores benignos que precedem a maioria dos casos de câncer de intestino.

Com todos esses dados em mãos, os estudiosos notaram que as participantes que usaram antibióticos por dois ou mais meses entre 20 e 40 anos de idade tinham um risco 36% maior de apresentar os tais adenomas. Entre as voluntárias de 40 a 60 anos e com o mesmo tempo de uso desses remédios, a probabilidade de ter os pólipos subia para 69%.

Para definir o real tamanho do problema, os especialistas afirmam que precisam conduzir investigações mais detalhadas. Mas eles já têm alguns palpites para explicar essa relação. Os antibióticos, feitos para atacar as bactérias, acabam alterando a microbiota intestinal, composta por micro-organismos importantes para a manutenção da saúde. E tais mudanças favoreceriam o aparecimento de tumores malignos.

Não custa lembrar que, quando usados em excesso, esses medicamentos ainda contribuiriam para o desenvolvimento das superbactérias, que matam mais de 700 mil pessoas todo ano. Mas, de novo: não é a utilização dos antibióticos em si que promove encrencas. A questão é o exagero e uso desregrado, que costumam ocorrer especialmente quando não há orientação médica adequada.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)