Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Repelentes naturais e soluções caseiras para afastar mosquitos funcionam?

Repelentes à base de plantas e outras medidas alternativas são comuns aqui. Mas essas táticas protegem dos mosquitos, principalmente o causador da dengue?

Por Maria Tereza Santos Atualizado em 19 mar 2019, 17h12 - Publicado em 5 fev 2019, 12h43

Calor, umidade, pele à mostra… o verão é o paraíso do Aedes aegypti e de outros mosquitos que espalham doenças como a dengue. Pois então: repelentes naturais e soluções caseiras afastam mesmo esses insetos?

Certos elementos naturais, como cravo da índia, citronela, andiroba e alho, têm propriedades repelentes quando aplicados na pele. Geralmente eles vêm na forma de óleo ou spray, mas isso varia.

“O problema é que seu período de atuação é muito curto”, aponta o infectologista Alberto Chebabo, diretor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI). De acordo com o especialista, a média de duração da ação dessas substâncias é de 15 a 20 minutos.

Há também quem cultive plantas que seriam capazes de espantar os mosquitos ao redor. O poder delas viria do forte odor, que desagradaria os vetores de dengue, febre amarela e afins. Outras pessoas preferem colocar soluções caseiras em locais que acumulam água – como os pratinhos dos vasos –, com o intuito de evitar o nascimento dos insetos.

A questão, aqui, é a falta de evidências científicas de qualidade. Alberto Chebabo acredita que esses métodos até podem auxiliar no controle da quantidade de bichos, mas, sozinhos, não vão repeli-los. “Não temos nenhum estudo específico de validação dessas soluções”, complementa.

É aí que mora o problema. Ainda que essas táticas e mesmo os repelentes naturais funcionem por determinado tempo, sua ação contra o Aedes aegypti, causador de dengue, zika e chikungunya, não é comprovada.

“Normalmente, o produto que tem registro apresenta estudos contra vários tipos de mosquitos e de duração do seu efeito. Já a maior parte dos repelentes naturais não passa por esses testes”, alerta Chebabo. “Então, não tem como saber”, arremata.

Ele lembra que, para ser infectado com as doenças que citamos acima, basta uma picada. Portanto, recomenda apostar nos repelentes disponíveis no mercado mesmo e não dar trégua à água parada.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês