Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Realidade virtual diminui a dor de pacientes internados

A tecnologia aplaca a intensidade dos incômodos e desponta como um tratamento para o futuro. Saiba mais:

Por Felipe Germano (da Superinteressante) Atualizado em 16 Maio 2017, 12h32 - Publicado em 30 mar 2017, 17h14

Realidade virtual não é só uma ferramenta descolada que transporta você para outros cenários. De acordo com uma nova pesquisa feita pelo hospital americano Cedar-Sinai (publicada no periódico JMIR Mental Health), a tecnologia também pode ser usada para ajudar a diminuir dores de pacientes internados.

Para conseguir concluir isso, os pesquisadores contaram com a ajuda de 100 pacientes do hospital. Todos eles estavam diagnosticados com uma dor de, pelo menos, nível 3 – em uma escala que vai de 0 a 10. Metade deles usou um óculos de realidade virtual que os colocava dentro de situações relaxantes: ou simulavam um voo de helicóptero sobre regiões paradisíacas da Islândia, ou mostravam cenas 360º de um mergulho com baleias. Os outros 50 pacientes assistiam também a cenas que relaxavam, mas dessa vez a transmissão era feita por uma televisão tradicional.

Os resultados mostraram que, depois das exibições, os pacientes que usavam os óculos tinham uma queda média de 24% na escala de dor; o valor relatado pelos que assistiram na tela 3D era menor, 13,2%.

Os médicos envolvidos na pesquisa acreditam que isso acontece porque a realidade virtual é capaz de concentrar seus sentidos na apresentação, limitando outros estímulos, como a dor. “Essa tecnologia cria uma distração imersiva que impede seu cérebro de processar a dor, oferecendo um complemento (sem nenhum tipo de drogas) aos tratamentos tradicionais”, explica Brennan Spiegel, diretor da área de pesquisas do hospital.

Continua após a publicidade

Os pesquisadores, porém, avisam que, para um tratamento efetivo e a longo prazo, teria de haver variedade. Os voluntários que utilizaram a realidade virtual não ficaram mais do que 15 minutos com a tecnologia. Para o corpo não se acostumar, e perder o efeito de relaxamento, os pacientes teriam que ter sessões contínuas e com conteúdos diferentes.

A ideia é que a descoberta ajude em pesquisas futuras que visam combater a dor. “Baseado nesse estudo, agora estamos produzindo uma pesquisa ainda maior para medir o impacto da realidade virtual frente ao uso de medicações contra a dor, tempo de estadia no hospital, e o grau de satisfação após a alta”, afirma Spiegel.

Este conteúdo foi publicado originalmente na Superinteressante.

Quer receber uma dose semanal de SAÚDE no seu e-mail? Então assine nossa newsletter — é grátis e fácil. Basta clicar aqui.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês