Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Radar da saúde: a vacina contra o câncer já está entre nós

Novo estudo comprova que imunização contra o HPV reduz em quase 90% risco de tumor de colo de útero. Fique por dentro do que rola no universo da saúde

Por Diogo Sponchiato 20 dez 2021, 17h46

Duas picadas no braço no início da adolescência e proteção contra uma doença grave para o resto da vida. É o que a vacina para o HPV faz pelas mulheres. Uma pesquisa robusta, realizada na Inglaterra, constatou que meninas imunizadas entre 12 e 18 anos encaram uma redução de 87% no risco de desenvolver câncer de colo de útero mais tarde.

Os cientistas chegaram à conclusão após analisar o impacto do programa de vacinação naquele país a partir de 2006 e as taxas atuais da enfermidade. É a mais nova condecoração à estratégia, que, infelizmente, pena para decolar no Brasil.

Por aqui, calcula-se que ao redor de 40% das garotas de 9 a 14 anos — faixa que recebe a vacina gratuitamente pelo SUS — estejam com a imunização em dia. Além delas, meninos de 11 a 14 anos também podem se vacinar na rede pública. As duas doses previnem, ainda, tumores de garganta, boca, pênis e ânus.

ilustração de mulher com paralisia de bell
Ilustração: Mirada Estúdio Criativo/SAÚDE é Vital

Passado: 200 anos da descrição da paralisia facial

Em 1821, o cirurgião e anatomista escocês Charles Bell publicou suas descobertas sobre aquele que seria o principal tipo de paralisia na face, problema que se deve a uma lesão em um nervo e leva à perda de sensibilidade e deformações temporárias em uma das metades do rosto. O quadro tem origem inespecífica e é conhecido até hoje como paralisia de Bell.

ilustração de cérebro sobre homem com óculos
Ilustração: Mirada Estúdio Criativo/SAÚDE é Vital

Futuro: molécula milagrosa para o cérebro

É assim que a imprensa americana alardeou uma substância que está sendo testada no Calico Labs, laboratório montado pelos fundadores do Google. Batizada de ISRIB, ela tem potencial para tratar doenças neurodegenerativas e traumas cerebrais. O primeiro estudo em humanos envolve pacientes com esclerose lateral amiotrófica.

Continua após a publicidade

ilustração do mapa da noruega com bandeira em cima
Ilustração: Mirada Estúdio Criativo/SAÚDE é Vital

Um lugar: Noruega tem a melhor política para drogas

O país do norte da Europa lidera o Global Drug Policy Index, ranking elaborado por um consórcio de entidades internacionais. Ele se baseia em critérios como a resposta dos Estados ao uso de drogas — se é mais acolhedora ou repressiva —, programas de saúde e redução de danos e acesso a tratamentos. De 30 nações avaliadas, o Brasil ficou na última posição.

ilustração de pessoas caminhando sem sentido oposto
Ilustração: Mirada Estúdio Criativo/SAÚDE é Vital

Um dado: 31% dos pacientes não seguem o tratamento logo de cara

Tem mais: cerca de 50% não respeitam todas as orientações terapêuticas dadas pelo médico. É o que mostram estudos sobre adesão ao tratamento, um desafio para a saúde individual e a pública e, não por acaso, tema de um congresso recente, o a:care, organizado pela Abbott. O evento discutiu como a ciência comportamental pode ajudar a melhorar esses números.

caricatura de freud fumando charuto
Ilustração: Mirada Estúdio Criativo/SAÚDE é Vital

Uma frase: Sigmund Freud

“Provavelmente o efeito de todo remédio que o médico prescreve, de toda intervenção que ele faz se compõe de duas partes. Uma delas, às vezes maior, às vezes menor, mas nunca totalmente desprezível, é representada pelo comportamento anímico do doente. A expectativa crédula com que ele vem de encontro à influência da medida médica por um lado depende do tamanho de sua própria ambição pela cura e, por outro, de sua confiança de que tenha dado os passos certos para tanto, ou seja, de seu respeito pela arte médica em geral, além do poder que ele concede à pessoa do seu médico e mesmo da empatia puramente humana que o médico despertou nele…”

Sigmund Freud, em ensaio publicado em 1890 e reunido no livro Fundamentos da Clínica Psicanalítica (Autêntica)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês