Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Pesquisadores buscam vacina para neutralizar o coronavírus ainda no nariz

Experts brasileiros se uniram para criar imunizante em forma de spray nasal de fácil aplicação, com baixo custo e proteção duradoura contra variantes

Por André Julião, da Agência Fapesp*
Atualizado em 3 set 2021, 19h23 - Publicado em 3 set 2021, 12h18

Uma vacina em forma de spray nasal de fácil aplicação, baixo custo, proteção duradoura inclusive contra variantes e capaz de bloquear a ação do novo coronavírus ainda no nariz, onde começam as infecções. Esse é o objetivo de um projeto que está sendo desenvolvido por um grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), em parceria com a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O novo imunizante, ainda em fases iniciais de estudo, foi apresentado na segunda-feira (30/8) durante o Ciclo ILP-FAPESP de Ciência e Inovação. O evento, uma parceria entre a FAPESP e o Instituto do Legislativo Paulista (ILP), está disponível na íntegra no YouTube .

“Uma das vantagens da imunização nasal é que ela gera uma imunidade local no nariz, na orofaringe [parte da garganta logo atrás da boca] e nos pulmões. É exatamente o ‘território’ ideal para impedir a consolidação de uma infecção pelo Sars-CoV-2. Vacinas injetáveis são muito boas para induzir imunidade sistêmica e também nos pulmões, mas não são especialmente boas para gerar uma resposta protetora na região nasal e orofaringe”, explicou Edécio Cunha Neto, professor da Faculdade de Medicina (FMUSP) e pesquisador do Laboratório de Imunologia do Instituto do Coração (InCor).

O projeto, do qual ele é um dos pesquisadores principais, tem apoio da FAPESP e é coordenado por Jorge Elias Kalil Filho, professor da FMUSP e chefe do Laboratório de Imunologia Clínica e Alergia do Hospital das Clínicas (HC-FMUSP).

Continua após a publicidade

“As vacinas que existem hoje são excelentes, desenvolvidas em tempo recorde, mas agora precisamos de um imunizante de segunda geração capaz de contornar problemas que apareceram no decorrer da imunização [escape imune ou efeitos adversos, por exemplo] e servir como reforço às injetáveis”, disse Cunha Neto.

+ LEIA TAMBÉM: Novo teste PCR detecta o coronavírus e outros três tipos de vírus

Segundo o pesquisador, o objetivo é criar uma vacina que gere anticorpos neutralizantes duradouros e também estimule de forma robusta a imunidade celular – aquela mediada pelos linfócitos T, que reconhecem o patógeno e destroem células infectadas.

Continua após a publicidade

Além disso, a nova vacina deve proteger contra variantes de preocupação. Para isso, os pesquisadores estão desenvolvendo um antígeno que pode conter a região da proteína S (spike, presente na superfície do vírus) que se liga às células humanas (RBD) de três ou quatro variantes ao mesmo tempo.

O antígeno vai conter ainda pedaços de proteínas que estimulem a resposta celular, mais duradoura do que aquela mediada pelos anticorpos neutralizantes. Por isso, deve incluir os chamados linfócitos T CD8+ citotóxicos, que matam células infectadas, e os linfócitos T CD4+, que ajudam na produção de anticorpos e nas respostas citotóxicas.

Atualmente, a equipe está testando 25 combinações diferentes de proteínas, que serão encapsuladas em nanopartículas de cerâmica recobertas com um polímero para garantir a adesão do imunizante ao ambiente nasal.

Continua após a publicidade

Testes preliminares com duas doses de protótipos do antígeno levaram à geração de altas quantidades de anticorpos neutralizantes em camundongos. Cunha Neto ressalta que o produto esperado deverá ainda ser estável em temperatura ambiente, além de seguro, com baixo custo e domínio de todo o processo de fabricação no país.

A expectativa é que os testes clínicos sejam realizados em 2022.

Vigilância genômica

Para saber quais variantes devem ser alvos de uma vacina, é essencial saber quais as cepas mais presentes no país. Para isso, alguns grupos realizam no Brasil a chamada vigilância genômica. O trabalho consiste em sequenciar o genoma das variantes em circulação para determinar as que são mais preocupantes em termos epidemiológicos.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Variante Delta sobrevive nos celulares?

Em uma parceria com a Prefeitura de São Paulo, o Centro Conjunto Brasil-Reino Unido para Descoberta, Diagnóstico, Genômica e Epidemiologia de Arbovírus (CADDE), apoiado pela FAPESP, está monitorando a prevalência da variante delta do Sars-CoV-2 no município.

“No início, a proporção dessa cepa era de 2%, mas ela vem subindo sistematicamente e se espalhando em vários pontos da cidade de São Paulo. Hoje estamos em torno de 33%. Infelizmente, a delta vai predominar nas próximas semanas”, disse Ester Sabino, professora da FMUSP e pesquisadora do Instituto de Medicina Tropical (IMT-USP).

Continua após a publicidade

Outro palestrante foi Fernando Spilki, pró-reitor de pesquisa da Universidade Feevale e coordenador da Rede Corona-Ômica do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), criada em 2020 para liderar os esforços de vigilância genômica no país. Entre outros assuntos, o pesquisador falou dos esforços para integrar dados de todo o território nacional.

Sandra Vessoni, diretora do Centro de Desenvolvimento Científico do Instituto Butantan e coordenadora da Rede de Alertas das Variantes do Sars-CoV-2 do Estado de São Paulo, falou sobre o monitoramento, diagnóstico e a definição da estratégia vacinal realizados pela instituição.

Paola Cristina Resende Silva, pesquisadora do Laboratório de Vírus Respiratórios e do Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz/Fiocruz, coordenadora da equipe de curadoria da plataforma de dados GISAID no Brasil, explicou como é realizado o trabalho no repositório, que reúne dados de sequenciamento de variantes do mundo todo.

O encontro teve como mediador Carlos Américo Pacheco, diretor-presidente do Conselho Técnico-Administrativo da Fapesp.

*Esse texto foi originalmente publicado pela Agência Fapesp

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.