Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Perda auditiva vira epidemia. O que fazer para prevenir?

Números crescentes de surdez chamam a atenção da Organização Mundial da Saúde, que cria comitê para lidar com o problema

Por André Biernath 26 out 2019, 10h30

Escuta esta: 1 bilhão de pessoas têm alto risco de ficar sem audição nas próximas décadas, de acordo com as estimativas mais recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS). Preocupada com o impacto que isso pode provocar na saúde e na qualidade de vida das pessoas, a própria entidade elegeu a perda auditiva como uma de suas cinco prioridades para o século 21 e selecionou um grupo de especialistas que vai criar políticas públicas para reverter esse cenário assombroso.

“Em quatro anos, teremos todos os estudos concluídos e decidiremos as estratégias para que cada país possa proteger sua população”, estima o médico Ricardo Bento, professor titular de otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e um dos membros da força-tarefa internacional.

O que abala a audição

  • Envelhecimento
  • Uso constante de fones com volume muito alto
  • Doenças congênitas (que aparecem logo ao nascer)
  • Acidentes ou traumas que rompem o tímpano
  • Acúmulo de cera
  • Falta de diagnóstico precoce de enfermidades no ouvido
  • Uso inadequado de hastes flexíveis
  • Hipertensão e diabetes descontrolados

Algumas medidas básicas já ajudam a preservar a audição

Olha o fone: se você curte utilizá-lo, tome cuidado com volumes elevados, que ferem aos poucos o canal auditivo.

Não cutuque: evite usar hastes flexíveis ou qualquer outro objeto pequeno para coçar a orelha ou tirar cera.

Fique atento: se perceber qualquer dificuldade para entender o que os outros estão falando, procure o médico.

Tempo é tudo: detectar a surdez em seus primeiros estágios possibilita um tratamento muito mais tranquilo.

Tem um app pra isso!

Quer saber se está escutando direitinho? Você pode baixar o aplicativo HearWHO, disponível gratuitamente para Android e iOS. Feito pela própria OMS, ele realiza avaliações de sua capacidade auditiva e sugere uma consulta com o médico se os resultados não forem bons.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês