Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ômicron XE: como ela surgiu e o que é um vírus recombinante?

Ela é o casamento de subvariantes do coronavírus que podem ter infectado uma única pessoa, mas não é motivo de preocupação por enquanto

Por Fabiana Schiavon Atualizado em 25 abr 2022, 11h20 - Publicado em 19 abr 2022, 18h24

Já falamos das subvariantes BA.1 e BA.2 do novo coronavírus, que surgiram a partir da Ômicron. Essa dança de multiplicação viral pelo mundo resultou em dois novos “bichinhos”, que unem partes de variantes diferentes: a Deltacron, da união entre Delta com a Ômicron e, mais recentemente, a XE, mistura de BA.1 e BA.2.

Elas são consideradas variantes recombinantes. Isto é, surgem a partir da co-infecção de dois subtipos do vírus em uma única pessoa. Dentro das células humanas, eles efetivam essa fusão.

Compartilhe essa matéria via:

Lembrando que o vírus só tem a oportunidade de criar uma mutação quando infecta o organismo de alguém. Quando ele entra nas células, usa as estruturas ali presentes para criar cópias de si mesmo. A cada cópia, pode ocorrer um erro no material genético, uma mutação.

Ao acumular vários erros e transmitir essas mutações às próximas cópias, surge uma variante. No caso da Deltacron e do XE, o que ocorreu foi uma combinação de dois tipos infectando as mesmas células.

+ LEIA TAMBÉM: Deltacron: a nova variante no ar e o “sexo” dos vírus

“A recombinante pode ser um salto evolutivo ou não. Enquanto uma variante comum é composta de pedacinhos de um vírus original, a recombinante faz uma junção de genomas inteiros. Mas não necessariamente isso resulta em um ganho tão grande para o vírus, até porque ele pode pegar características que, juntas, não dão tanta força a ele”, esclarece o virologista Fernando Spilki, professor da Universidade Feevale.

Não é uma exclusividade do coronavírus. Outros patógenos, como o HIV e o influenza, também têm essa capacidade.

O quanto esse vírus recombinante preocupa?

A Deltacron, primeira mutante recombinante, preocupou especialistas porque une a Delta, que provocava casos mais graves, com a Ômicron, mais transmissível. Mas, até agora, ela não ganhou terreno pelo mundo. Foram notificados apenas casos mais isolados.

Por outro lado, a XE tem uma conexão forte com a BA.2, que cresce exponencialmente na Europa e nos Estados Unidos. “Como a XE tem muito mais características da BA.2, que prevalece nesses lugares, é importante que essas regiões também fiquem alertas com a recombinante”, explica Bernardo Almeida, infectologista do infectologista e chefe médico da Hilab.

Continua após a publicidade

E por esse mesmo motivo, ela se mantém na lista de preocupação da Organização Mundial de Saúde (OMS). A agência de saúde britânica (UK Health Security Agency) divulgou o último relatório sobre a XE no fim de março. Ela foi descoberta no Reino Unido em janeiro e os casos da recombinante só sobem por lá desde então.

O documento informa que a preocupação deve vir de quem ainda não se vacinou, e que a nova variante não deve causar casos graves e hospitalizações em quem está protegido. Mas, claro, ser infectado nunca é boa ideia. Mesmo os casos leves têm sido notificados com a síndrome da pós-Covid.

Não há informações, ainda, sobre a mudança nos sintomas – que se mantém semelhantes aos da Ômicron: tosse, dor de garganta, coriza, febre, dor no corpo.

Já no Brasil, como prevaleceu a BA.1, em teoria, é menos provável que a XE ganhe espaço – mas, claro, nada no mundo dos vírus é certeza. Segundo dados da Rede Genômica da Fiocruz, essa cepa ainda está em evidência.

No mês de março, foram sequenciados geneticamente 436 testes de Covid-19, e apenas 0,3% eram da BA.2. Mais de 80% das amostras era da BA.1, e cerca de 17% não puderam ser identificadas.

+ LEIA TAMBÉM: Covid-19: quem é a BA.2 e o que muda a cada nova variante

Como nos proteger?

O cuidado é o de sempre: usar máscaras, em especial em ambientes de alto risco, evitar aglomerações e higienizar constantemente as mãos. Além disso, é preciso testar e se isolar na presença de sintomas respiratórios.

Fazer sequenciamento dos exames positivos e acompanhar o número de casos ajuda a preparar o sistema de saúde para novas variantes. “A real preocupação vem quando a taxa de transmissão do vírus, o RT, passa de 1 ponto”, alerta Almeida. Se o número vai além disso significa que uma pessoa infectada pode transmitir o vírus a mais de uma.

O site Covid-19 Analytics, mantido por professores da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) aponta uma taxa de transmissão atual de 0,7 no Brasil. Na conta, 100 infectados contaminariam outras 70 pessoas, apontando tendência de redução da circulação do vírus.

A XE é levemente mais transmissível que os seus  vírus de origem (cerca de 10%), mas não há informação de que ela seja capaz de escapar mais facilmente das vacinas. Para se manter protegido, só tomando as injeções no tempo correto. O problema é que o Brasil ainda engatinha para colocar a terceira dose em dia.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês