Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O que é epilepsia e como evitar os ataques

Das convulsões aos sintomas menos conhecidos, conheça esse transtorno neurológico e como é feito o tratamento para contorná-lo

Por Goretti Tenorio e Chloé Pinheiro Atualizado em 16 ago 2019, 11h30 - Publicado em 26 mar 2017, 07h08

Na maioria dos casos, a epilepsia é fruto de pequenas lesões no cérebro. Essas cicatrizes têm origens diversas (predisposição genética, traumas durante o parto ou depois dele, malformações e até um acidente vascular cerebral), mas a consequência delas é semelhante: de tempos em tempos, os neurônios disparam um monte de descargas elétricas que resultam em perda de consciência súbita e movimentos involuntários. Porém, em certas situações não é possível especificar a causa do problema – a massa cinzenta até parece estar ok, só que as convulsões persistem.

Como as crises assustam, a epilepsia vem acompanhada de preconceito e estigma social. Até por isso, poucas pessoas recebem o tratamento adequado, o que impossibilita uma boa qualidade de vida. Mas ela não é rara: segundo a Organização Mundial de Saúde, até 1% da população global sofre com a enfermidade.

Sinais e sintomas

– Contrações musculares e movimentos involuntários
– Perda da consciência
– Torpor
– Lapsos de atenção

Fatores de risco

– Ter sofrido traumatismo craniano ou pancadas fortes na cabeça
– Histórico Familiar
– Malformações congênitas no cérebro
Arritmias cardíacas

A prevenção

Não dá para impedir que alguém desenvolva epilepsia. Mas é possível escapar de situações que desencadeiam convulsões, como dormir pouco, beber álcool e permanecer em ambientes com luzes estroboscópicas – aquelas coloridas utilizadas em festas.

Continua após a publicidade

O diagnóstico

Antes de tudo, é importante que o médico analise as queixas do paciente e escute o depoimento de pessoas que presenciaram alguma crise. Um eletroencefalograma, teste que mede a atividade elétrica do cérebro, é solicitado, assim como a ressonância magnética, que ajuda a encontrar o ponto do cérebro que origina as crises. Mas, como às vezes não há causa estabelecida para a epilepsia, esses exames podem não apresentar alterações.

Mesmo depois de detectar o transtorno, é preciso submeter o indivíduo a outras avaliações que flagram causas tratáveis da doença, como infecções no cérebro e arritmias cardíacas.

O tratamento

As drogas que inibem os ataques epilépticos são eficazes em 70% dos casos. Recentemente, medicamentos com canabidiol passaram a ser comercializados no Brasil para esse fim – no entanto, a prescrição depende do médico. Mas, para que tudo dê certo, o álcool deve ser evitado, porque estimula o cérebro a desencadear novas convulsões. Em alguns casos, cirurgias são recomendadas.

Na hora da crise, diferentemente do que diz a sabedoria popular, não tente desenrolar a língua do sujeito. Caso contrário, ele pode se machucar e você vai acabar com os dedos mordidos. O ideal é afastar objetos capazes de feri-lo e deitar seu corpo de lado para impedir que ele engasgue com a saliva.

Do ponto de vista de estilo de vida, epiléticos que praticam atividades físicas melhoram a qualidade de vida, a autoestima – e provavelmente diminuem a frequência das crises. Isso porque os exercícios interferem nos circuitos cerebrais envolvidos nos ataques. Agora, modalidades radicais são contraindicadas. Já os esportes aquáticos só devem ser realizados na presença de um profissional que conhece o quadro da pessoa e, assim, está pronto para acudi-la se necessário.

Quer ficar por dentro das principais notícias sobre saúde? Então assine nossa newsletter — é grátis e fácil. Se estiver em computador, basta entrar no nosso site, rolar a página para baixo e colocar, no campo Newsletter, seu nome e e-mail. Já se estiver usando um celular ou tablet, role a página principal do site da SAÚDE até encontrar o campo Newsletter e preencha os campos obrigatórios. Pronto! Você já vai receber uma dose semanal e personalizada da SAÚDE no seu endereço eletrônico.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês