Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Grávidas devem evitar cosméticos com parabenos

Estudo indica que essa classe de substâncias chega até o bebê, podendo prejudicá-lo

Por Thaís Manarini - Atualizado em 19 jun 2020, 21h00 - Publicado em 23 jun 2020, 09h00

Cientistas do Centro de Pesquisa Ambiental Helmholtz, junto a outras instituições alemãs, analisaram informações sobre 622 mulheres e descobriram o seguinte: quanto mais alta a concentração de parabenos na urina delas, maior o risco de o filho ficar acima do peso aos 8 anos.

Vasculhando questionários respondidos pelas voluntárias, ficou claro que a presença dessas substâncias estava ligada ao uso de cosméticos na gravidez. Os experts ainda conduziram testes em cobaias e viram que a exposição ao butilparabeno fez filhotes de ratas comerem mais.

Para a dermatologista Juliana Toma, de São Paulo, a evidência é incipiente, mas cabe evitar os parabenos nessa fase: “Não sabemos os perigos que oferecem aos bebês”.

Contraindicados para mamães

Além de toda a família dos parabenos, outros elementos devem ser evitados na gravidez. Veja alguns exemplos:

Continua após a publicidade

Ureia
Ela é muito usada em hidratantes. A questão é que pode atravessar a placenta e atrapalhar o desenvolvimento do feto.

Cânfora
Está ligada a um maior risco de malformação e aborto. Aparece em produtos que prometem frescor e combate à celulite.

Chumbo
Esse metal pesado é relacionado a eventuais defeitos na formação do feto. É encontrado sobretudo em tinturas de cabelo.

Ácidos
É preciso esquecer praticamente a turma toda. “O único liberado é o azelaico”, diz Juliana. “E o hialurônico, que não é um ácido de verdade.”

Hidroquinona
Recrutada contra as manchas. Para evitá-las na gestação, o certo é investir no protetor solar e, se necessário, na vitamina C.

Tá liberado!

Agora, conheça algumas substâncias sem efeitos colaterais:

+ Glicerina

+ Aloe vera

+ Óleo de amêndoas

Continua após a publicidade

+ Óleo de uva

+ Vitamina C

Publicidade