Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Exames genéticos podem prevenir um ataque cardíaco ou mal súbito?

Quando vale a pena investigar o DNA para flagrar doenças do coração. A genética não é a única responsável pela saúde do peito, mas tem sua influência

Por Chloé Pinheiro - 27 abr 2018, 17h39

No 35º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro (Socerj), que ocorreu neste mês, um dos temas debatidos foi o papel dos exames de DNA na detecção precoce de doenças que podem provocar morte súbita cardíaca. E tudo indica que, sim, há vantagem para o coração no rastreio, que tem ganhado espaço nos consultórios.

“A tendência é solicitá-lo já nas primeiras avaliações, quando há suspeita de uma cardiopatia hereditária, ou mesmo com o diagnóstico estabelecido, porque os familiares se beneficiam da detecção precoce”, explica Arsonval Lamounier Júnior, cardiologista que atualmente faz doutorado em Cardiopatias Familiares e Genética Cardiovascular na Universidade La Coruña, na Espanha.

A ideia é que, ao localizar mutações em alguns genes, os especialistas possam agir preventivamente para reduzir a possibilidade de uma pane no futuro. “Calcula-se que entre 15 e 20% dos casos de morte súbita cardíaca tenham origem genética”, continua Lamounier.

Dos distúrbios associados ao DNA, o mais comum é a miocardiopatia hipertrófica. Ela basicamente torna o coração maior que o normal, o que dificulta o bombeamento do sangue. A condição afeta uma a cada 500 pessoas.

Continua após a publicidade

Mas há muitos quadros possíveis aqui, de condições que acometem a aorta, principal artéria do corpo, a malformações congênitas, passando por alterações no metabolismo do colesterol e outras síndromes.

O DNA importa, mas…

“Se descobrimos que a pessoa não tem a mutação que causa ou aumenta o risco de determinado problema na família, isso só vale para aquela doença”, explica Lamounier. Ou seja, o músculo cardíaco ainda está sujeito a várias outras encrencas, principalmente as que aparecem por causa de um estilo de vida desregrado, com pouca atividade física, má alimentação e estresse constante.

Tanto que, embora os defeitos genéticos dobrem o risco de doenças cardíacas, os hábitos saudáveis cortam essa mesma probabilidade pela metade. Foi o que concluiu um estudo com mais de 55 mil pessoas, conduzido por universidades norte-americanas e publicado no The New England Journal of Medicine em 2016. Dito de outra forma, seu estilo de vida ajuda a minimizar os estragos que seriam ocasionados por um DNA desfavorável.

Qual teste fazer

“O mais utilizado é o sequenciamento por painel, na sigla em inglês NGS [Next Generation Sequencing]”, aponta Lamounier. Ele analisa centenas de genes de uma vez só, mas tem um preço salgado, na casa dos milhares de reais.

Continua após a publicidade

Portanto, vale conversar bem com o cardiologista e calcular os prós e contras de fazer um investimento do tipo. Até mesmo porque existem diversos exames e eles não analisam todo os genes de uma vez, então é preciso mirar em alvos específicos.

Publicidade