Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

EUA recomendam mamografia a cada 2 anos para mulheres a partir dos 40 anos

No Brasil, o Ministério da Saúde pede que o rastreamento do câncer de mama por meio da mamografia ocorra somente em mulheres de 50 a 69 anos

Por Fernanda Bassette, da Agência Einstein*
23 Maio 2023, 18h16

O U.S. Preventive Services Task Force, um grupo de especialistas que analisa evidências científicas em medicina preventiva e discute novas recomendações, emitiu uma atualização sobre o rastreamento do câncer de mama.

Agora, todas as mulheres a partir dos 40 anos são aconselhadas a realizar mamografias a cada dois anos, de acordo com as novas diretrizes.

Essa mudança substitui a orientação anterior, que sugeria a realização da mamografia aos 50 anos, com mulheres entre 40 e 49 anos sendo incentivadas a considerar o exame com base em seus fatores de risco pessoais.

As recomendações da Task Force são consideradas “padrão ouro” por serem baseadas em evidências. Geralmente, médicos e planos de saúde americanos as seguem.

As novas diretrizes, publicadas em 9 de maio, foram atualizadas com base em uma revisão científica abrangente e reforçam o que as sociedades médicas preconizam: o rastreamento deve ser realizado mais cedo, uma vez que o número de casos de câncer em mulheres mais jovens tem aumentado e a doença tende a ser mais agressiva nessas faixas etárias.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Termografia não detecta câncer de mama e pode atrasar diagnóstico

Estima-se que entre 15% e 20% dos diagnósticos ocorram em mulheres de 40 a 49 anos.

O câncer de mama é o segundo tipo mais comum entre as mulheres, ficando atrás apenas do câncer de pele não melanoma.

No Brasil, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) projeta quase 74 mil novos casos diagnosticados em 2023.

Continua após a publicidade

Quando descoberto em estágio inicial, as chances de cura do câncer de mama podem chegar a 95%, e a mamografia e o ultrassom desempenham um papel essencial nisso.

Além disso, estudos indicam que a mamografia pode contribuir para a redução da mortalidade por câncer de mama em até 40%.

No Brasil, o Ministério da Saúde recomenda que o rastreamento do câncer de mama por meio da mamografia ocorra somente em mulheres de 50 a 69 anos – também a cada dois anos, em seus exames de rotina.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Continua após a publicidade

Porém, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), o Colégio Brasileiro de Radiologia e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) seguem o protocolo da American Cancer Society e recomendam que a mamografia seja feita anualmente, a partir dos 40 anos.

Segundo a mastologista Danielle Martin Matsumoto, do Hospital Israelita Albert Einstein, o fato de a U.S.Task Force mudar as orientações é um ganho muito importante porque reforça e apoia o que as sociedades médicas já vinham recomendando há mais tempo.

“Vários estudos têm demonstrado que as mulheres que mais se beneficiam do rastreamento com mamografia são justamente aquelas a partir dos 40 anos, que têm tumores mais agressivos e, se forem diagnosticados mais precocemente, têm maiores chances de cura”, afirmou Matsumoto.

Segundo a mastologista, pensando em saúde pública, é fundamental ampliar o acesso ao exame, que ainda é distribuído de forma muito desigual pelo país.

Continua após a publicidade

“Aqui temos mulheres com mais de 40 anos que vão aos postos de saúde pedir para fazer mamografia e não podem porque essa não é a recomendação atual do Ministério da Saúde. Por isso, o diagnóstico muitas vezes acaba ocorrendo em um estágio mais avançado da doença”, diz a especialista, ressaltando que a mamografia ainda é um exame restrito a um grupo muito pequeno de mulheres.

+ LEIA TAMBÉM: Pandemia fez casos graves de câncer de mama subirem 26%

Segundo a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica, suas associadas realizaram cerca de 1,2 milhão de mamografias em 2021.

A entidade estima ainda que foram feitas 8,1 milhões de mamografias no país, sendo 4,6 milhões na saúde suplementar e 3,5 milhões no SUS.

Continua após a publicidade

Para Matsumoto, um único ponto que pode ser questionado na mudança de recomendação do U.S. Task Force é a periodicidade do exame – eles recomendam o rastreamento a cada dois anos e não anualmente.

“O que as evidências têm demonstrado é que mulheres mais jovens tendem a ter cânceres mais agressivos e que aparecem com mais frequência no intervalo entre uma mamografia e outra. Se a mulher faz o exame a cada dois anos, ela pode perder a chance de detectar o tumor em estágio mais inicial, quando ele ainda não é palpável. Recomendamos fazer o rastreamento anual justamente para termos mais chances de descobrir mais cedo o que chamamos de ‘câncer de intervalo'”, explica.

Fonte: Agência Einstein

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.