Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Ceratocone: o que é, causas, sintomas e tratamentos

Esse problema no olho, que atinge principalmente a população jovem, precisa ser tratado quanto antes. Descubra o que ele provoca e quais os sinais na visão

Por Maria Tereza Santos - Atualizado em 21 out 2019, 17h22 - Publicado em 9 out 2018, 15h35

Ao contrário de muitas doenças oftalmológicas, o ceratocone costuma surgir na infância, na adolescência ou no princípio da vida adulta. É um problema hereditário que afeta de 1 a 2% dos brasileiros nessa faixa etária. Ele atinge a córnea, tornando a visão embaçada e irregular – a boa notícia é que, nos últimos anos, o tratamento melhorou bastante, como mostraremos mais pra frente.

“O ceratocone causa sintomas justamente na fase da escola, do vestibular e dos primeiros empregos. É o momento da vida em que a visão é importantíssima”, aponta a oftalmologista do setor de cirurgia refrativa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Marta Sartori.

Esse problema é bilateral e assimétrico, o que significa que pode deturpar a visão nos dois olhos, mas não da mesma maneira. Ele também é progressivo – ou seja, vai piorando com o tempo, se nada for feito. “A doença deteriora ao ponto de a pessoa enxergar tudo distorcido, mesmo com óculos”, afirma Marta, que também é membro da Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR-BRASCRS).

Ao suspeitar desse – e de outros problemas de visão –, não deixe de visitar o oftalmologista para se submeter aos exames adequados.

Continua após a publicidade

A causa do ceratocone

Para entender essa doença, é preciso antes aprender sobre o funcionamento da córnea, a nossa “lente natural”. Marta Sartori explica que essa estrutura tem o formato similar a uma calota de carro.

“Ela é responsável pela refração, que é a mudança de direção da luz quando entra no olho. A partir daí, o raio de luz passa por outras estruturas do globo ocular até chegar na retina”, completa a oftalmologista. Dali, o nervo óptico leva essa informação ao cérebro, onde será processada e finalmente convertida em uma imagem.

Porém, no ceratocone é como se a córnea ficasse pontuda e adotasse mais a forma de um cone. Essa alteração distorce a entrada de luz, o que provoca uma confusão de imagens. Mal comparando, a impressão visual é de um astigmatismo, só que mais irregular.

Por que isso ocorre? Difícil dizer. Sabe-se que cerca de 1% a 5% da população geral possui defeitos em um gene que abrem as portas para o ceratocone. Ainda assim, nem todas as pessoas com essa falha no DNA vão ter a doença, até porque o surgimento do ceratocone também depende de estímulos externos, como a coceira frequente dos olhos ou o ato de apertá-los.

Continua após a publicidade

Esses hábitos, em resumo, danificam a córnea. “Usando a calota do carro como paralelo, é como se ela tivesse levado um chute”, exemplifica Marta.

Sinais para ficar de olho

Se já houver algum caso de ceratocone na família, converse com o oftalmologista para minimizar o risco da doença nos descendentes.

“Ela aparece em homens e mulheres na mesma frequência. É mais comum no final da infância e na adolescência. Coceira nos olhos, asma e rinite são fatores de risco, por estimularem danos na córnea”, informa Marta.

Nesse sentido, é preciso levar a coceira a sério. “Muitas crianças acabam se viciando. Os pais precisam levar seus filhos ao oftalmologista para identificar sua origem e tratá-la, se for o caso”, complementa.

Continua após a publicidade

Para interromper esse costume, os médicos podem indicar colírios. Ou mesmo receitar medicamentos orais mais fortes, como cortisona.

Para quem é alérgico, vale o recado de sempre: evite ficar em ambientes empoeirados, com ácaro ou que tenham carpetes, tapetes, animais de estimação e bichos de pelúcia. Se isso fizer você coçar os olhos demais, pode desencadear o ceratocone.

Como é o tratamento

Há alguns anos, a única maneira de amenizar os sintomas era usando óculos. Quando o instrumento não dava mais conta do recado, fabricavam-se lentes especiais removíveis, que deveriam ser trocadas sempre que o ceratocone piorasse.

“Mas de 20 anos para cá, houve uma grande progressão de tratamentos. O que temos disponível hoje é muito mais moderno”, afirma a oftalmologista. Embora eles ainda não ofereçam uma cura, conseguem controlar bem os sintomas e restabelecer a visão. Conheça os dois principais:

Continua após a publicidade

Implante do anel intracorneano: por meio de uma cirurgia, cava-se um túnel no meio da córnea, onde é colocado uma prótese feita de acrílico que regula a curvatura dessa estrutura.

“A prótese não deteriora a córnea. Ela apenas muda sua curvatura”, pondera Marta. O implante é reversível e ajustável. Após uma semana, você retorna aos afazeres do dia a dia.

Crosslinking: “Nesse tratamento, promovemos uma ligação mais firme entre as fibras de colágeno da córnea. É como se a gente estivesse cimentando a região para torná-la mais dura, fazendo com que o ceratocone não progrida”, esclarece Marta.

Aqui, depois de uma raspagem cirúrgica da córnea, os médicos pingam um colírio de vitamina B no olho. O composto funciona como um oxidante. “Usamos junto um raio de luz ultravioleta, que excita essa vitamina, tornando a córnea mais rígida”, completa a expert. O paciente é liberado para voltar às suas atividades de dois a três dias depois. Esse procedimento inclusive está disponível na rede pública de saúde.

Continua após a publicidade

Recado importante: quem analisa a severidade do ceratocone e indica o tratamento mais adequado é o oftalmologista. Às vezes, ele vai combinar as duas técnicas.

Além disso, mesmo após os procedimentos, talvez seja necessário continuar usando lente ou óculos. Mas, claro, sem precisar trocar o grau toda hora.

Em fases mais avançadas da doença, quando ela deixa de responder a outras terapias, a saída pode ser o transplante de córnea. “O pós-operatório dessa cirurgia é demorado. O paciente não fica internado, mas tem que voltar ao hospital a cada 15 dias para retirar os pontos. Nessa fase da vida, pode atrapalhar”, alerta Marta.

Por isso, não deixe de ir ao médico assim que os primeiros sinais surgirem.

Continua após a publicidade

Fonte: Marta Sartori, oftalmologista do setor de cirurgia refrativa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Coordenadora da residência de oftalmologia do serviço municipal de Diadema e membro da Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR-BRASCRS).

Publicidade