Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Abril Marrom: prevenção e combate aos diversos tipos de cegueira

Visitas regulares ao oftalmologista são a melhor forma de evitar doenças como o glaucoma, que pode levar à perda da visão irreversível de forma silenciosa

Por Fabiana Schiavon Atualizado em 29 abr 2022, 17h07 - Publicado em 28 abr 2022, 17h09

O Abril Marrom é o mês de conscientização sobre a cegueira. Diversas doenças têm a perda da visão como consequência, e a melhor maneira de preveni-las é com visitas regulares ao oftalmologista. 

No topo da preocupação estão o glaucoma, que pode causar perda de visão irreversível sem apresentar sintomas, e a catarata, problema também silencioso, mas tratável.

Além disso, esse mês vem para lembrar que cuidar da saúde ocular é enxergar melhor o todo o corpo. O oftalmologista pode desconfiar de outras doenças ao analisar os olhos. Por outro lado, males crônicos como hipertensão, diabetes e reumatismo também ameaçam a vista.

Compartilhe essa matéria via:

“Por meio da luz, os olhos colaboram com a produção de hormônios e saúde do metabolismo. Além disso, 85% do nosso relacionamento com o meio ambiente ocorre pela visão. Por isso, a deficiência visual tem um custo social grande e a inclusão dos portadores é difícil”, reflete Leôncio Queiroz Neto, oftalmologista e presidente do Instituto Penido Burnier.

Principais cuidados para proteger os olhos

Cada fase da vida exige um cuidado especial. “Começa no berçário, com o teste do olhinho, depois vem a fase escolar, quando a criança pode não enxergar, mas não comunica isso aos pais, e o acompanhamento anual após os 40 anos, para quem não tem um problema que exija idas periódicas ao consultório antes disso”, lembra Queiroz Neto.

No dia a dia, é bom saber usar o sol a favor da retina. Precisamos de luz, mas o excesso também agride. Óculos que tenham filtro ultravioleta, mesmo os de grau, podem ajudar quem fica mais exposto. “Eles não precisam ser os solares para ter essa função, que é invisível na lente”, explica o presidente do Instituto Burnier.

Outro cuidado é com a automedicação com colírios. “Qualquer produto tem um princípio ativo. Até para quem está com o olho seco há prescrições bem específicas, porque o problema envolve o desequilíbrio em diferentes camadas do filme lacrimal”, alerta Queiroz Neto.

Os olhos foram esquecidos na pandemia

Como em todas as outras áreas, a saúde ocular ficou abandonada durante a pandemia. Um estudo da Unicamp aponta uma queda de 92% nas consultas clínicas ambulatoriais durante o isolamento.

Também foram reduzidos em 94% os exames de campo visual, em 73% os procedimentos cirúrgicos e em 20% a quantidade de medicamentos oftalmológicos distribuídos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

+ Leia também: Vida longa à vista

Além disso, a própria Covid-19 pode levar a sequelas nos olhos, e a doença foi relacionada a diferentes formas de lesões na retina.

Glaucoma

causas do glaucoma
Glaucoma geralmente é causado pelo aumento da pressão intraocular e lesões no nervo óptico. Ilustração: Erika Onodera/SAÚDE é Vital

O glaucoma é a principal causa de cegueira irreversível no mundo, afetando mais de 76 milhões de pessoas em 2020. No Brasil, estima-se que 3,1% da população seja afetada pela doença, segundo dados divulgados pelo Hospital das Clínicas da Unicamp.

A doença vai reduzindo o campo de visão da pessoa de maneira imperceptível até chegar à cegueira. Isso é provocado, na maioria dos casos, pela alta pressão ocular, que lesiona os nervos responsáveis por levar informações do olho ao cérebro.

“Há quem desenvolva glaucoma com a pressão normal, mas a probabilidade de ter a doença é maior em quem tem medições acima de 21 mmHg”, esclarece Vital Paulino Costa, oftalmologista e chefe do setor de glaucoma da Unicamp.

Continua após a publicidade

Pode acontecer com qualquer pessoa, mas há fatores de risco. “Ele é mais frequente a partir dos 40 anos, quando há uma prevalência de 2%. Essa proporção sobe para 5% acima dos 70 anos”, explica Vital.

Há ainda o fator genético, que faz aumentar de oito a dez vezes a probabilidade da doença surgir. Quem tem miopia com grau acima de seis e os que convivem com o diabetes também precisam ficar mais atentos.

“Ainda não há uma explicação formal do porquê, mas pessoas negras também têm mais probabilidade de sofrer de glaucoma ao envelhecer”, conta o oftalmologista da Unicamp.

Há diversos exames para chegar ao diagnóstico do glaucoma. Após medir a pressão ocular, é feito um OCT (tomografia de coerência óptica) que mede a espessuras das fibras óticas com a função de verificar se há uma redução delas. Outro exame avalia o campo visual.

“E, hoje, uma plataforma reúne dados dessas três análises e ajuda o médico a bater o martelo”, relata Vital.

Antes de decidir o tratamento, o médico verifica o nível de progressão da doença. “Tem paciente que consegue contar os dedos e outros que só veem vultos. É possível agir para que a perda de visão não avance ainda mais, exceto quando o indivíduo já perdeu a percepção de luz. Nesse caso, não há mais como intervir”, explica o professor da Unicamp.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Colírios que atuam na pressão ocular são os mais utilizados para o tratamento, o problema é o valor desses medicamentos. “A cirurgia pode ser uma opção para os que têm intolerância a essas substâncias ou até mesmo falta de acesso por questões financeiras”, revela o professor.

Novas tecnologias como o uso de lasers já são entendidas como bem-sucedidas. Também faz parte do tratamento manter as visitas periódicas ao médico.

Catarata

A catarata é a perda de transparência do cristalino, a lente natural atrás da íris que faz o foco nas imagens. A doença está entre as principais causas de deficiência visual no mundo.

O principal motivo por trás da catarata é o envelhecimento. Dados do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) mostram que a prevalência é de 17% antes dos 65 anos, de 47% entre 65 e 74 anos e mais de 73% quando se passa dos 75.

O problema também pode ser congênito, quando um bebê nasce com ele, ou decorrente de males crônicos (diabetes, inflamações oculares…), maus hábitos (tabagismo e alcoolismo), trauma ocular, exposição prolongada à radiação ultravioleta sem proteção e uso de certos medicamentos (em especial os corticoides).

+ LEIA MAIS: Cirurgia de catarata: uma forma de resgatar a qualidade de vida

A solução é a cirurgia, que remove a opacidade intraocular e restaura a nitidez das imagens, proporcionando melhor qualidade de vida.

Como surgiu o Abril Marrom e por que a cor foi escolhida?

“O marrom foi escolhido porque representa a cor de íris mais comum nos olhos dos brasileiros”, afirma Costa.

Já o mês foi selecionado para coincidir com o Dia Nacional do Braille (dia 8 de abril), data de nascimento de José Álvares de Azevedo, professor que trouxe o alfabeto braile ao Brasil. Ele morreu em 1854.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês